Quinta-feira, 13 de Abril de 2006
Financial Times 31/3/2006

Uma política obcecada com o preço piora a Saúde. Quando centrado no preço, o Governo acaba por prejudicar todos: utentes, indústria e a economia.

Factos: “Durante a maioria do séc. 20, as farmacêuticas alemãs lideraram o sector mundial, com inovações fundamentais: desde a aspirina à pílula” (cit. FT).

E continua o FT: “Hoje, os laboratórios alemães são débeis... a Alemanha já não tem uma única empresa nas 12 maiores mundiais... a Hoechst foi comprada pela Aventis... a Knoll pela Abbott... etc.... Para se encontrar as maiores empresas mundiais é necessário atravessar o Reno para sul (Suíça: Novartis e Roche); o canal (R.U. [Reino Unido], Irlanda: Glaxo, AstraZeneca); ou o oceano (EUA: Abbott, Pfizer)”.

Porquê?: “A Alemanha destruiu a sua indústria... e o mercado é horrível. Parte da culpa é das empresas e sua lentidão em completar a investigação química com biológica e biotecnológica. Além de uma cultura de consenso e burocrática: em algumas empresas alemãs o comité que decide se um projecto de investigação deve prosseguir ou não, chega a ter 70 pessoas contra 12 p.e. na AstraZeneca”.

Segue-se “a sociedade com o seu modelo social, criando dificuldades de reestruturação e redução de empregos, apoiando uma... estrutura accionista baseada em bancos” e promíscua: o resultado é a lentidão na tomada de decisões.

Finalmente, há a política farmacêutica governamental e “a sua ênfase no preço... com pressão sobre o preço da inovação, com resultados desoladores”.

Explicação: sem protecção para a sua inovação, as empresas votam com os pés e emigram. Fogem. Para o R.U., Irlanda, EUA, etc. Afectando o PIB, empregos e balança comercial (a inovação tem que ser importada).

Donde, uma política obcecada com o preço piora a Saúde (lentidão na entrada da inovação no mercado devido a maior tempo para a decisão de comparticipação, rupturas de ‘stocks’ nos pontos de venda, menor % de medicamentos orfãos lançados, maiores estadias hospitalares), etc.

Pelo que, quando centrado no preço, o Governo faz de aprendiz de feiticeiro, criando uma emenda pior que o soneto, e acabando por prejudicar todos: utentes, indústria, economia e até os contribuintes. Interesses diversos que deveriam ser protegidos em equilíbrio. Porque como disse Aristóteles: a virtude encontra-se no ponto equidistante de dois defeitos. A virtude está no meio.

Prova?: a evolução ao longo das últimas duas décadas: produção de medicamentos na Alemanha em % da UE: de 24% para 15%. Do VAB farmacêutico em % da UE: de 24% para 19%.; e em % da OCDE: de 12% para 7%. Exportações em % da UE: de 26% para 17%. Etc. etc.

Mas pelo contrário: no R.U. onde a inovação tem preço livre: o VAB (em % da UE) cresceu à taxa de 1,3% ao ano, o saldo da balança comercial farmacêutica em % do PIB passou de 0,22% para 0,33%; e assim sucessivamente.

Moral da história?: os governos devem resistir à tentação de centrar a sua política farmacêutica exclusivamente no preço. É simples? É. Só que, e citando O. Wilde: “os governos resistem a tudo menos... às tentações”.


publicado por psylva às 13:02
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds