Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2006
Esta campanha é mesmo muito estranha
Aactual campanha para a eleição presidencial é muito estranha. Começa logo por ser a primeira que, seis meses antes da votação, ainda não tinha qualquer candidato assumido. Os caprichos do calendário, colocando-a poucos depois de legislativas e autárquicas, assim o determinaram. Apesar desse atraso, surpreendentemente, acabou por igualar o recorde de 1980 do máximo de pretendentes, com seis nomes no escrutínio.

No entanto, o mais curioso de tudo é que todos os candidatos, menos um, passam o tempo quase todo a falar desse um. O prof. Cavaco Silva é, sem dúvida, o assunto dominante destas eleições. Parece que não há dificuldades, obstáculos, decisões. Descobrimos que o principal problema de Portugal é... o prof. Cavaco Silva. Parece que não existem oposições graves entre esses mesmos opositores. Naturalmente que Cavaco Silva fala de si e das suas propostas. Mas os outros... também. Todos falam só dele, e o que fala menos até é ele.

Assim, pode dizer-se que esta campanha tem sido uma longa, emocionante e diversificada expedição contra o prof. Cavaco Silva. De repente, a política portuguesa voltou 20 anos atrás. Ganhou-se uma súbita nostalgia pelos anos 80. Regressou-se aos tempos sem telemóveis nem Internet. Voltaram à berra acontecimentos esquecidos e irrelevantes. Parece que, afinal, os Governos desse tempo é que têm a culpa de tudo, do défice actual ao aquecimento global. A actual campanha presidencial é mesmo muito estranha!

Alguns dos argumentos utilizados são bastante curiosos. Por exemplo, um dos mais repetidos é que o ex-primeiro-ministro domina demasiado bem os dossiers e isso criará problemas à sua Presidência. Este raciocínio é no mínimo abstruso. Porque, das duas, uma ou esta eleição tem alguma coisa a ver com os graves problemas que nos preocupam, e nesse caso conhecer bem os assuntos é uma clara vantagem para o Presidente; ou não tem nada a ver com isso, e então o melhor seria decidirem o resultado com moeda ao ar, poupando o esforço e custo do escrutínio. Mas este argumento esconde um outro facto evidente, que tem ficado omisso. É que não é possível fazer acusação semelhante a nenhum dos opositores. Se virmos bem, os outros candidatos de facto não percebem nada dos assuntos. Isto não é insulto, mas simples constatação. Se o Presidente da República não tiver de lidar com as questões nacionais, eles estão particularmente bem adequados à missão.

Dos cinco opositores ao prof. Cavaco, quatro nunca desempenharam qualquer cargo público de responsabilidade. Têm grande traquejo partidário, longa militância oposicionista, vasta dialéctica tribunícia. Possuem notória estatura ética, intenso currículo cultural, eminente craveira intelectual. Mas falta-lhes a mais pequena experiência de decisão política, a menor prática ministerial, a ínfima deliberação concreta, coordenação institucional, negociação diplomática. Sobre a execução de funções públicas não sabem literalmente nada. Pretendem, pois, começar a sua carreira justamente pelo lugar de topo, no cargo de Presidente da República. É uma atitude curiosa, arrojada, mas insólita.

Em compensação, o outro opositor, dr. Mário Soares, é sem dúvida o político mais experiente da nossa democracia. Mas, ao mesmo tempo, trata-se de um caso especial, pois é o nosso único político que sempre assumiu nunca ter estudado os dossiers ou conhecido os detalhes. O seu grande activo é o inegável faro e instinto natural, experimentado ao longo de décadas. Aliás, é isso mesmo que ele nos oferece agora, ao pretender ser um "ouvidor da democracia", um "poder moderador" que, segundo o próprio, é mesmo o que nós precisamos. Mas nunca poderá ser acusado de dominar os assuntos.

Este alinhamento de três tipos de candidatos que o início do século XXI põe à nossa escolha é muito curioso e significativo. Dado que a campanha está tão nostálgica, podemos até dizer que ele manifesta bem o desenrolar dos 30 anos da nossa democracia. Nos primeiros dez anos, com políticos com muito instinto mas sem conhecimentos, andámos de crise em crise chamando o FMI. Depois mudámos de estratégia e nos dez anos de Cavaco Silva as coisas endireitaram-se e o País prosperou. Ultimamente virámos para políticos sem experiência nem conhecimentos, que esbanjaram a prosperidade e nos enfiaram no buraco actual.

Veremos o que nos reservam os próximos dez anos. Não admira que a campanha esteja tão estranha!


publicado por psylva às 09:12
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds