Terça-feira, 6 de Dezembro de 2005
Pensem nisto


Rui Ramos


Somos muito engraçados. Quem alguma vez duvidou dessa qualidade nacional deve-se ter convencido agora, com as reacções à encarnação do prof. Cavaco Silva como candidato presidencial. Os comentadores dividiram-se em duas metades. Uns acharam que o prof. Cavaco falou de menos. Outros, como mandam as regras do circo, acharam precisamente o contrário. Os primeiros ficaram escandalizados porque o prof. Cavaco não prometeu privatizar o Mosteiro dos Jerónimos ou anexar as funções de primeiro-ministro à presidência da república. Os segundos protestaram por o prof. Cavaco não se ter limitado a reconhecer que o país acabara e confessar que apenas quer chegar à presidência para assistir ao afundamento sentado na primeira fila.
Entre uns e outros, apareceu, como não podia deixar de aparecer, a gente do costume a arejar o clichézinho do costume. Quando Oliveira Martins, em 1879, inventou o “sebastianismo” como explicação para tudo, mal sabia quanto trabalho mental iria poupar a sucessivas gerações de portugueses. Desde então que a explicação sebástica funciona, em Portugal, como a base de uma espécie de inteligência de algibeira. Sempre que lhe convem parecer sábio, o indígena já sabe o que deve fazer: cita o tal “sebastianismo”, fala com ironia do “homem providencial”, e reflecte severamente sobre o “atraso nacional”. Nas últimas semanas, houve muita gente que se tornou inteligente assim, à custa do prof. Cavaco.
E no entanto, não é muito difícil perceber o que está em jogo. Reparem, por exemplo, no modo como os mais sérios candidatos de esquerda estão a ser acusados de “imitar Cavaco”. Ora é o dr. Alegre que, de repente, também quer ser independente dos partidos, ora é o dr. Soares que finalmente compreende, depois de muitos anos, que sem criação de riqueza o Estado Social não sobreviverá. Como explicar estas inesperadas conversões? Em 1995, o prof. Cavaco foi despedido com maus modos. Só que depois do “pântano” do eng. Guterres, e dos “choques” do dr. Barroso e do eng. Sócrates, foi difícil não o recordar como o último governante decente e responsável. E foi ainda mais difícil impedir que, desde a denúncia do “monstro”, ele acabasse por determinar os termos do debate político. Hoje, quem quiser ser levado a sério tem de ser um pouco “cavaquista”. É irritante? É assim.
É verdade que, em Belém, o prof. Cavaco não poderá obrigar os portugueses a trabalhar mais, e mais eficientemente. Também é verdade que o prof. Cavaco quer, ao contrário do que dizem as esquerdas, redimir esta versão portuguesa do Estado Social. Por mim, teria preferido ver o prof. Cavaco a assumir um outro projecto político, propondo-se criar em Portugal, gradual e tranquilamente, um modelo social diferente deste, fundado na responsabilidade individual e na participação cívica. Mas o Prof. Cavaco não deseja confrontos ideológicos, ou convenceu-se (talvez com razão) de que o “Partido do Estado” é demasiado poderoso. Nada disto me impede de reconhecer que o prof. Cavaco me dá uma garantia: a de que, com ele, estará na presidência alguém suficientemente lúcido, independente e patriota para, pelo menos, não colaborar com qualquer governo que, por cobardia ou incompetência, tente salvar o ‘statu quo’ à custa do futuro. Que mais lhe poderei pedir? O verdadeiro papel do titular de um órgão de soberania não é mudar o país, mas obstar a que os interesses instalados usem o poder do Estado para impedir os portugueses de mudar, se os portugueses quiserem e puderem mudar. É esta a garantia que o prof. Cavaco me dá. É esta a única garantia de que preciso. O resto, meus amigos, é connosco. Pensem nisto.


publicado por psylva às 18:04
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds