Domingo, 11 de Setembro de 2005
O medo da exigência
«Com Cavaco Silva Presidente viveremos uma fase mais à inglesa ou à alemã»


SE CAVACO Silva se candidatar, a próxima eleição presidencial colocará Portugal perante os seus velhos medos. Já não o medo de arriscar a liberdade (medo suscitado por muitos, em 1985, quando Cavaco Silva se candidatou a primeiro-ministro), mas medos mais sofisticados: o medo da autoridade e o medo da exigência.

Cavaco Silva, todos o sabem hoje, é um homem sério, com íntegro sentido de Estado e inconformado com a tendência de empobrecimento de Portugal. Também é consensual que se trata de uma personalidade forte, pouco dada a transigências palacianas e estruturalmente exigente. Sabemos, ainda, que é um político com carisma, o que lhe permite ocupar espaço com facilidade, com uma profunda marca de autodisciplina e de sentido de autoridade. Percebe-se, igualmente, que é um homem de acção, que quer ver as «coisas» a mexer e a acontecer, uma personalidade independente, que não tem famílias nem partidos para proteger, e um carácter firme, por vezes áspero, que sublinha com nitidez o seu sentido de exigência. Finalmente, é alguém com um percurso de vida feito a pulso, ansioso e impaciente por melhorar a sua situação de partida e que os outros façam o mesmo, com temperamento e imaginário de vencedor.

Esta personalidade deixa os portugueses embaraçados. Racionalmente, é a pessoa que é precisa; intuitivamente, muitos pensarão que é alguém que, projectado ao mais alto nível, mexe excessivamente com as nossas características. Racionalmente, é a personalidade com dimensão e determinação para assegurar estabilidade e firmeza de rumos aos governos que se disponham a fazer o que tem que ser feito; intuitivamente, é a personalidade que, depois de escolhida, não voltará atrás e assegurará mesmo que o que tem que ser feito será mesmo feito e não é claro que os portugueses todos queiram verdadeiramente isso.

A sublimação deste embaraço é feita ao nível do raciocínio e das dúvidas políticas: terá Cavaco Silva perfil de Presidente da República? A questão é posta mais para espantar o embaraço do que por corresponder a um problema real. É evidente que Cavaco Silva, se se candidatar e vier a ser eleito, exercerá o cargo dentro das normas constitucionais e do papel de moderador que cabe ao Presidente e dará à função a marca própria da sua personalidade.

A questão sobre o perfil de Cavaco Silva é suscitada por outra razão: a força da sua personalidade, a sua exigência e o seu dinamismo atraem por fazerem acreditar que, nos próximos dez anos, todos os governos terão um interlocutor muito exigente e um «alter ego» institucional que os fará governar sem possibilidade de desleixo. Ao mesmo tempo, esta atracção converte-se em receio de que aquela mesma personalidade forte introduza um nível de exigência perturbador e que esteja para lá do padrão de exigência considerado pela generalidade dos portugueses como suportável. É com este dilema, se calhar inconsciente, que muitos portugueses poderão vir a confrontar-se até ao momento do voto.

Outra dimensão do embaraço reside na determinação que todos sabemos que Cavaco Silva teria de fazer com que Portugal se concentrasse em questões concretas e na questão do seu próprio desenvolvimento. O político sedutor de estafados lugares comuns, de ideias gerais e que divide o mundo moderno, muito comodamente, ainda em direita e esquerda, nada tem que ver com Cavaco Silva. Se Portugal tivesse Cavaco Silva como Presidente é óbvio que viveríamos uma fase mais à inglesa ou à alemã, ou mesmo à espanhola, com ênfase colectiva nos grandes temas, precisos e concretos, do desenvolvimento (e enriquecimento, convém assumi-lo) do país e nas políticas, precisas e concretas, para atingirmos os objectivos de desenvolvimento que, como nação, pretendemos alcançar.

O tipo de político generalista, sobretudo de formação jacobina, porque não introduz qualquer mudança nos velhos e adquiridos quadros mentais sobre o modo de ver e de viver a cidadania, tem a vantagem de não obrigar a riscos de decisão, apesar de poder significar mais do mesmo e esse mesmo ser já muito pouco para um país em rota estranha de decadência. Já uma personalidade como Cavaco Silva, se é verdade que oferece aos cidadãos uma oportunidade e uma garantia de concentração e mobilização do país para temas, diria, operacionais e orientados para resultados práticos, implica, para muitos, a inquietação de optar por um nível de exigência, desde logo na concentração em objectivos palpáveis, que poderá ser tido como disruptivo e que muitos, genuinamente, considerarão anticultural para o paradigma português.


publicado por psylva às 12:55
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds