Sábado, 10 de Setembro de 2005
Classes sociais nos EUA
A crença, a essência do sonho americano, é a mobilidade social. Não o desaparecimento de classes. Mas sim o desaparecimento das barreiras entre classes.

E a maioria dos americanos acreditam nesse sonho. Num inquérito do New York Times (2005), à pergunta: é possível começar pobre, trabalhar muito e ficar rico?: 80% dizem sim; 20% respondem não. Há 20 anos os valores eram 60% e 40%.

Mais: 40% dos americanos acreditam que a possibilidade de subir socialmente aumentou nos últimos 30 anos, contra 23% que pensam o oposto.

A realidade, contudo, ensina que são estes últimos que têm razão. Segundo, vários estudos a mobilidade social, tendo aumentado após a IIª GM, está agora em declínio; pelo que a probabilidade de se morrer na mesma classe social é hoje maior que há 30 anos atrás.

Três questões: 1) Porquê?; 2) Como aumentar a mobilidade?; e 3) Como explicar que as crenças das pessoas não correspondem com a realidade?
Porquê? Há duas grandes barreiras à mobilidade: a desigualdade de rendimentos e a cristalização das diferenças de mérito.

Os EUA são o país da OCDE com maior desigualdade de rendimentos: 20% da população tem 46% da riqueza (Des. Hum. ONU). E esta diferença está a aumentar: nos últimos 25 anos, o rendimento dos 1% mais ricos aumentou 139%, contra 17% dos rendimentos medianos e 9% dos 1/5 mais pobres (todos rendimentos ajustados para a inflação).

Depois, estas grandes desigualdades de rendimento contribuem para que os (des)privilégios e (des)vantagens sejam doados e herdados: embora a % de universitários tenha aumentado, a % de alunos de classe alta nas melhores universidades, também aumentou.

Solução? Segundo os liberais, i.é partido democrata): progressividade fiscal e melhor acesso geral à educação: com quotas e apoio financeiro.

Pergunta-se: mas se há menor mobilidade social, como explicar que os americanos acreditem no oposto? Por duas ordens de razões.

Primeiro, o conceito de classe social hoje não é essencialmente de rendimento e sim de valores: na década de 50 os administrativos eram republicanos, hoje votam democrata; os operários especializados eram antes fortemente democratas, hoje estão divididos 50%-50% entre o partido democrata e republicano.

Segundo, apesar das barreiras existentes, a motivação dos americanos (para enriquecer) é tão forte e a sua autoconfiança (de que serão capazes) tão grande, que lhes faz parecer as barreiras menores do que efectivamente são: i.é acreditam genuinamente que conseguem superar os obstáculos.

À pergunta se o sucesso depende de mim (e não de forças fora do meu controlo), 65% (contra 32%) dos americanos respondem que sim. Na Europa? O inverso: 35% (contra 63%). Donde: o que é mais importante para o governo? “Liberdade para cada um alcançar os seus objectivos”, segundo 60% dos americanos, contra 20% na Itália, 35% na G.B., etc.

No limite, tudo se resume ao seguinte: um americano vê um condutor num Ferrari. E pensa: ainda hei-de andar de Ferrari. Em outros países?: pensa-se: ainda hás-de andar a pé como eu.



publicado por psylva às 10:58
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds