Sábado, 10 de Setembro de 2005
China - pânico ou serenidade
DE: António Borges

A China tem um modelo económico simples e bem sucedido; num quadro de gestão macro-económica prudente.

A irrupção dos produtos chineses nos mercados internacionais tem gerado considerável pânico, sobretudo na Europa. A conquista sistemática de novas posições comerciais por parte dos chineses parece inexorável. Cada ano os produtores chineses entram em novos mercados, evoluem para indústrias mais sofisticadas e impõem os seus produtos a preços imbatíveis. É fácil extrapolar esta tendência: com a sua gigantesca dimensão, a China rapidamente dominará a economia mundial; a todos nós restará o desemprego, na sequência do desaparecimento de toda a nossa capacidade de produzir, seja o que for, a preços competitivos com os chineses. Felizmente, a realidade é bem mais complexa – e interessante – do que uma simples extrapolação. E o crescimento da China – e de outros países emergentes – além de muito menos ameaçador do que se pensa, tem muitíssimos aspectos positivos para o resto do mundo.

O receio excessivo causado por novos concorrentes não é novo; sobretudo, é pouco racional. Já na década de 70 se afirmava sem margem para dúvidas que o Japão dominaria o mundo e que antes do fim do século 20 seria a maior economia do globo. Nada disso aconteceu. E ainda que o Japão tivesse muito melhores condições para liderar a economia mundial do que a China tem, já ninguém receia os japoneses nem tem medo do seu domínio.

A China tem um modelo económico extremamente simples e bem sucedido; num quadro de gestão macro-económica prudente – aliás, dizem alguns, excessivamente prudente – uma taxa de poupança elevadíssima permite canalizar para investimento uma parcela gigantesca do PIB. Com uma mão de obra disciplinada, ambiciosa e trabalhadora e uma notável capacidade para atrair nova tecnologia do exterior, a produção pode crescer a ritmo muito rápido. Graças à globalização, os mercados externos fornecem inesgotáveis oportunidades comerciais. Resta ir repetindo a receita, ano após ano, o que se torna fácil devido à ilimitada disponibilidade de mão de obra interessada em entrar neste novo mundo de prosperidade incomparável com a da China rural e tradicional.

Curiosamente, este modelo tem muitas semelhanças com o do extraordinário crescimento económico português dos anos 60: crescimento muito rápido, exportação, investimento, poupança elevada, mão-de-obra disponível, tudo idêntico – inclusive, claro está, a ditadura. Ora nós bem sabemos que o êxito do nosso crescimento económico dos anos 60 nada significa quanto à nossa capacidade de competir e nos desenvolvermos no século XXI. Quem pensa que o modelo chinês se pode reproduzir indefinidamente sofre seguramente de fortíssima miopia. Aliás, a grande questão que se deve colocar no que respeita à China é justamente a de se poder prever o ponto de inflexão, quando aquela gigantesca economia tiver de encontrar novas vias para manter o momento de que agora inegavelmente desfruta.

O caracter inevitavelmente limitado do crescimento chinês não impede que durante muito tempo a concorrência chinesa continue a ser um enorme quebra-cabeças para todos os outros países. Mas convém lembrar que nunca os ganhos do comércio internacional são apropriados por um único país. A economia mundial sai sempre a ganhar, muitos países beneficiam consideravelmente da expansão do comércio, embora evidentemente também haja quem perca. Quanto mais os chineses exportam, mais têm interesse em importar: é precisamente o crescimento gigantesco do mercado chinês que explica o êxito de países asiáticos ou latino americanos – como o Brasil. E as exportações destes para a China dão origem a importações que criam excelentes oportunidades para terceiros. O processo propaga-se rapidamente, e é hoje um dos mais importantes factores da forte expansão da economia mundial a que temos assistido.

Perante esta situação, há duas atitudes. A nossa – de certa Europa e em particular de Portugal – consiste em concluir que vamos seguramente perder com esta concorrência desabrida: precisamos de protecção e de salvar o que temos. A de muitos outros países do Mundo consiste em procurar avidamente todas as oportunidades, todos os mercados, todos os projectos em que o talento e a experiência de que dispõem possam ser de alguma utilidade. A atitude que se escolhe determina a política dos governos e a estratégia das empresas. Não admira que seja um factor importante para se saber quem realmente sai a ganhar ou a perder.





publicado por psylva às 10:57
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds