Sexta-feira, 9 de Setembro de 2005
O verdadeiro “modelo sueco”
Em 1990, deu-se o colapso do “modelo social sueco”. Em quatro anos, perderam-se meio milhão de empregos.

Por toda a Europa, e não só em Portugal, o “modelo sueco” desperta grande entusiasmo.

Na Grã-Bretanha, consta que o modelo é o grande inspirador de muitas políticas económicas do “New Labour”.

Durante a actual campanha eleitoral na Alemanha, o actual Chanceler, Gerard Schroeder, revelou que a sua ambição é fazer da Alemanha uma “grande Suécia”.

Até em França, nestas coisa de modelos tradicionalmente mais nacionalista, o Primeiro Ministro, Dominique de Villepin, confessou que a sua política económica se inspira, em parte, nomodelo nórdico.

Partindo do pressuposto de que se pode falar de um “modelo sueco”, qual é então a sua natureza?
Em 1950, a Suécia era o paísmais rico da Europa, mas simultaneamente tinha um dos sectores públicos mais reduzidos do mundo ocidental, ao nível dos Estados Unidos.

A partir das décadas de 1960 e de 1970 começaramos problemas. O sector público cresceu de um modo incontrolado. Por exemplo, enquanto em 1950 gastava cerca de 25% do produto interno, em1982 os gastos subiram para 65%. Um outro exemplo revela que entre 1970 e 1990, o sector privado não criou um único posto de trabalho; por outro lado, no mesmo período, quase um milhão de suecos passaram a trabalhar para o Estado. Simultaneamente, os impostos aumentaram, transformando a Suécia no país com os impostos mais elevados do mundo ocidental, e a criação de riqueza estagnou.

Entre os finais dos anos 1950 e os finais dos anos 1980, nas tabelas da OCDE dos países mais ricos, a Suécia passou do quarto para o décimo sétimo lugar. Mais grave, o aumento do Estado retirou liberdade económica e capacidade de iniciativa aos cidadãos suecos, a receita para o crescimento económico dos meados do século XX. Enfim, a deriva social do “modelo sueco” diminuiu a riqueza, criou um “Estado tutor”, e originou uma espécie de “epidemia abstencista”, em quem muitos suecos preferiam viver da segurança social do que trabalhar. Em 1990, deu-se o colapso do “modelo social sueco”. Em quatro anos, perderam-se meio milhão de empregos e o governo foi incapaz de controlar uma dupla crise de finanças públicas e fiscal.

Entretida com o que se passava a leste, o resto da Europa não se apercebeu nem do colapso sueco, nem da revolução que se seguiu. O ressurgimento liberal foi o primeiro passo para as mudanças.

Carl Bildt, líder do Partido Conservador e Primeiro-Ministro entre 1991 e 1994, iniciou a liberalização do “modelo sueco”: privatizou, reduziu o sector público e diminuiu os impostos. Desde 1996, o actual Primeiro Ministro social democrata, Goran Petersson, abandonou a visão social que Olaf Palme tinha imposto ao partido, e manteve as reformas liberais, num processo de resto muito semelhante à “terceira via” de Blair. Hoje, o “Estado tutor” desapareceu e, no seu lugar, surgiu um Estado mais reduzido que coopera com a sociedade, que voltou a garantir a liberdade económica e estimula a iniciativa privada. A economia voltou a crescer e o desemprego a diminuir. É óbvio que a Suécia ainda enfrenta problemas sérios, mas a verdade é que recuperou do colapso dos anos 1990, com a aplicação de receitas liberais.

Devemos retirar duas conclusões do exemplo sueco. Em primeiro lugar, quem olha para omodelo sueco, deve ter a consciência dos problemas causados pela deriva social dos anos de 1970 e 1980. Em segundo lugar, contra a vontade do autor, cumpriu-se a profecia do pai fundador do modelo social sueco, Gunnar Myrdal, que em 1934 escreveu: “se o Estado providência não funcionar na Suécia, então não resultará em mais algum país”.


publicado por psylva às 21:45
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds