Domingo, 28 de Agosto de 2005
Competitividade, flexibilidade e discurso político
A classe política parece ter descoberto agora o tema da inovação. Antes já se tinha encantado com o assunto da competitividade.

Vejamos então em que consistem as noções de produtividade e de competitividade.

Em termos físicos, numa lógica que os engenheiros percebem bem, a produtividade dum processo, no qual um input é transformado num dado ‘output’, é o quociente entre o ‘output’ e o ‘input’:

Produtividade = ‘Output’/‘Input’

Em termos económicos, a produtividade será o quociente entre o valor acrescentado gerado no processo de transformação e o input:

Produtividade = Valor acrescentado/‘Input’

Em termos económicos, é fácil perceber que se aumentarmos a produtividade num processo que cria um produto que não se vende (logo socialmente inútil), aumentamos o número de produtos produzidos, mas não aumentamos a competitividade… Por isso, a produtividade é condição necessária para a competitividade mas não é suficiente.

Como só há valor acrescentado se houver utilidade social e valor de mercado (preço) para aquilo que produzimos, ao introduzir a noção de valor acrescentado, aproximamos a noção de produtividade da de competitividade.

A competitividade é, no fundo, a capacidade das empresas produzirem bens e serviços, numa base sustentável, de forma mais eficiente que as suas competidoras, quer em termos dos factores-preço quer dos não-preço (factores de ordem qualitativa).

A competitividade consiste pois, em transformar ideias em produtos de uma forma melhor, mais rápida e mais barata que os concorrentes.

Em resumo: (1) a noção de competitividade descreve de forma genérica o desempenho da economia e a capacidade dum País segurar ou aumentar a sua cota de mercado num sector particular (Krugman, 1996; Porter 1998); (2) para medir a competitividade, recorre-se a vários indicadores de desempenho, entre os quais o mais importante é a produtividade; (3) a produtividade é um conceito e, como tal, pode-se medir; (4) a competitividade é apenas uma noção.

Por tudo isto, muitas vezes, as discussões sobre a competitividade dum Pais acabam por se reduzir à discussão sobre a produtividade.

Também é preciso ter consciência de que não há nos nossos dias competitividade sem flexibilidade na afectação dos recursos, o que passa necessariamente pela flexibilidade nos mercados de trabalho, produtos e serviços. Com efeito, o problema central duma economia é sempre a afectação de recursos escassos a um conjunto muito superior de solicitações. Numa época de acelerada evolução tecnológica, de globalização e de mutações nos mercados, a única certeza que podemos ter é que o dia de amanhã será diferente do dia de hoje, pelo que temos de ter capacidade de resposta rápida e agilidade às solicitações e mutações dos mercados, o que só é possível se houver flexibilidade na afectação dos recursos. Aqui, a Europa e Portugal estão a perder claramente em relação aos EUA e às economias asiáticas. Continuamos estáticos, com sistemas pouco flexíveis, mantendo níveis elevados de proteccionismo e intervencionismo estatais que tendem a cristalizar ou a distorcer a afectação dos recursos.

Por outro lado, no caso português, com a entrada no euro, rigidificamos a nossa taxa de câmbio nominal, que era o nosso ‘slack’, a variável que manipulávamos para repor artificialmente a nossa competitividade. Como os engenheiros bem sabem, as estruturas e os sistemas sujeitos a choques externos não podem ser rígidos, têm que ter flexibilidade e graus de liberdade, ‘slacks’, para se ajustarem a esses choques, sem partirem. Ora, a economia portuguesa é um sistema aberto ao exterior que rigidificou a taxa de câmbio nominal quando aderimos ao euro. Para compensar a perda desse grau de liberdade, temos que arranjar outras variáveis de ajuste aos choques externos duma economia globalizada. Tal implica o reforço da flexibilidade interna a nível macro-económico e a aceleração das reformas estruturais. Se tal não acontecer, o sistema ajusta-se dramaticamente através das variáveis reais como o emprego!
Há então que ter políticas públicas que promovam a competitividade, flexibilizem os mercados, acelerem as reformas estruturais. Por isso o discurso político e coxo quando fala em competitividade, esquecendo a flexibilidade e as reformas estruturais.



publicado por psylva às 11:11
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De PGFreire a 30 de Agosto de 2005 às 10:16
Bravo! Bem dito!

Os portugueses têm que meter nas suas cabeças que numa economia de mercado, e em particular num espaço económico como o da UE, o mercado é o elemento fundamental para a criação de riqueza e dinamização da economia.

Se o mercado funcionar mal (e em Portugal funciona bastante mal) o enriquecimento de uns só se pode fazer à conta dos outros. Esta é a situação que se vive, com contornos mais ou menos dramáticos nos países subdesenvolvidos.

Ah, e já agora, metam também na cabeça, que o estado não pode distribuir riqueza que não gera. Portanto se o mercado não produzir valor, não há valor para repartir!

A finalizar, faço notar que o valor produzido pelo mercado negro (ou economia paralela) também não pode ser distribuido pelo estado pelo simples facto de não pagar impostos. Ou seja, são valores que dificilmente contribuem para o bem comum...


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds