Sexta-feira, 25 de Agosto de 2006
O profissionalismo

O trabalho é um aborrecimento, que não se deve levar muito a peito, porque tanto faz. Ora se tanto faz, faz de conta. Este é o resultado de 30 anos de social-laxismo.



O eng. Guterres iniciou funções prometendo mudar Portugal. Abandonou-as acusando os portugueses de serem pouco profissionais. Tem razão. Relativamente a alguns. Por 3 razões.

Primeiro, a tradicional atitude de alguns portugueses face ao trabalho: pouco, devagar e mal.

O trabalho é um aborrecimento, que não se deve levar muito a peito, porque tanto faz. Ora se tanto faz, faz de conta. Este é o resultado de trinta anos de social-laxismo.

Contudo, para onde os portugueses emigram (Suíça, Canadá, etc.), a atitude é a oposta. O trabalho é assunto sério, que permite proteger as nossas famílias e realizar-nos pessoalmente.

O trabalho nesses países requer quantidade (capacidade), qualidade (rigor) e pragmatismo, sendo o tempo o grande recurso escasso da vida, já que esta é uma história que no fim acaba sempre mal... Donde: procurar a solução e não o problema; criar facilidades e não levantar dificuldades. Simplificar e não complicar. Problemas, dificuldades, complicações? Até uma criança de seis anos faz. Soluções? Este é o sinal do profissionalismo. Contudo, em Portugal, muitas pessoas se reúnem contra e não com outros.

Segundo: o misturar das questões pessoais com profissionais. Advogados que por não gostarem do cliente, aceitam o seu dinheiro, mas não o defendem convenientemente. Gestores que só se esmeram com “tipos simpáticos”. Comentadores que opinam em função das suas embirrações pessoais. Ora o profissional é aquele que não deixa questões pessoais intrometerem-se na sua profissão.

Simpatias com XPTO? Fim-de-semana com ele. No trabalho, o meu amigo é o bom defesa direito e não o simpático defesa esquerdo que fez com que perdêssemos o jogo. Protegê-lo é uma desonestidade perante toda a equipa e uma desnecessidade perante ele, já que a sua vocação está noutra posição, noutra equipa ou noutro jogo. Onde seja parte da solução e não do problema.

Terceiro: o ‘lobbi’. Nos EUA tem objectivos externos (contra o aborto, as armas pessoais, etc.), os seus membros são públicos e a sede está aberta.

Em Portugal? O objectivo é interno (autopromoção). A filiação sub-reptícia. E a sede é o tráfego de influências. Há os ‘lobbis’ políticos e os outros. Mas o resultado é sempre o mesmo: sectarismo e facciosismo.

Resultado? O mercado não funciona. Falta a concorrência com base no mérito (preço e qualidade) que é preterida por “razões que a razão desconhece”. Donde, a economia de mercado é substituída pela economia de ‘lobbi’.

Resultado destes três factores em conjunto (desleixo, pessoalização e ‘lobbi’)? A meritocracia é substituída pela mediocridade. E não há plano tecnológico. Não há fundos de Bruxelas. Não há nada, que compense isto. Porque a semente só brota quando o terreno é fértil.

O amadorismo? É não só negativo perante a sociedade como uma injustiça perante Deus, já que se as nossas qualidades são prenda de Deus a nós, o que fazemos com elas, é a nossa prenda a Deus.

Até quando? Até a guerra cultural entre profissionais e amadores for vencida por aqueles. Só então Portugal progredirá. Como? Criando os incentivos (liberalização) adequados. Porquê? Porque “aquilo que se incentiva, é aquilo que se obtém” (J. Welch).


publicado por psylva às 09:25
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds