Sábado, 6 de Agosto de 2005
Winners never cheat’
Por:


Jorge A. Vasconcellos e Sá



É o livro mais recente de J. Huntsman (presidente da mundialmente conhecida empresa química do mesmo nome).

As duas teses do livro são simples. Primeiro: ganhar fazendo batota não é ganhar. Só ganha quem cumpre as regras: não enganar, cumprir a palavra, respeitar os outros (empregados, consumidores e concorrentes) e não abusar do poder de mercado.

Sem isto é como fazer batota num jogo de futebol: a vitória nada vale, não tem significado. Ganhámos um-zero? Mas o golo foi com a mão... o árbitro estava do nosso lado... como é que isso prova que somos melhores? E se o jogo for outro? Com outras “regras”, não feitas por nós? Mais uma razão para não o jogarmos...

Segunda tese: se as universidades transmitem conhecimentos e ensinam a pensar, a vitória, essa depende muito de outras três vertentes: o carácter; a coragem; e o temperamento.

Um gestor tem poder. Sem carácter, usa-o (no mínimo) mal e (por vezes) para o mal. É um péssimo exemplo. Desmotiva e destrói (moral e psicologicamente) os seus colaboradores. Donde: poder sem carácter é um travesti do que deve ser a gestão.

Segue-se a coragem, a qual é a primeira das qualidades, porque sem ela nenhuma das outras se materializa: a inteligência, os conhecimentos, etc., não passam da teoria à prática. Por isso a coragem está subjacente a todas as outras qualidades e é o garante de que elas aconteçam.

Por fim o temperamento, donde emanam qualidades como a empatia, o bom senso e a humildade. Por oposição à arrogância e egocentrismo, as quais por si (tenha ou não o gestor inteligência e conhecimentos) levam ao fracasso: crescimento demasiado rápido; aquisições a preços excessivos; remunerações e fringe benefits desproporcionais à remuneração dos empregados e accionistas criando mal estar; promoção de monopólios, levando à intervenção de entidades externas.

Felizmente que mais tarde ou mais cedo, a vaidade colhe o que semeou. Porque “pode-se enganar todos durante algum tempo; pode-se mesmo enganar alguns durante todo o tempo; mas o que nunca se poderá nunca é: enganar todos durante todo o tempo” (A. Lincoln).

Contudo, infelizmente, a humildade é difícil de encontrar entre os gestores.

É conhecida a história do gestor que lê um livro ao lado da sua mulher que cose. De repente ela pica-se e diz: “meu Deus”. O gestor, pousa o livro, tira os óculos e diz à mulher: “filha, quantas vezes é preciso dizer-te, que na nossa casa, podes tratar-me pelo meu primeiro nome: Joaquim...”
Carácter. Coragem. Humildade. Tudo isto faz do livro de J. Huntsman, que tem o subtítulo: “valores do dia a dia que aprendemos quando crianças mas podemos ter esquecido”, uma excelente obra de um homem, que não só derrotou o cancro, como também fez da sua empresa um líder e um exemplo. Porque… ‘winners never cheat’.





publicado por psylva às 21:29
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds