Sábado, 6 de Agosto de 2005
Injustiça!

Por:

João Cardoso Rosas



Para sabermos se os gritos de injustiça têm algum conteúdo, temos de saber primeiro em que consiste a justiça.

A revolta dos funcionários é generalizada. Todos protestam contra o fim das promoções automáticas e das reformas antecipadas. Os professores sentem-se maltratados porque terão de passar mais tempo nas escolas. Os juizes estão indignados com o emagrecimento das férias judiciais. Os polícias manifestam-se contra a igualização dos sistemas de saúde. Os militares organizam reuniões de protesto contra o aumento do tempo requerido para passar à reserva. Os deputados ameaçam revoltar-se caso as suas alcavalas sejam cortadas. Segundo os jornais, até o ex-ministro das finanças ficou indignado com a injustiça que lhe fizeram ao expor na praça pública a sua reforma, conseguida ao fim de seis longos anos de trabalho. Enfim, revoltam-se os governados e até os governantes, pelo menos quando descobrem que também são governados.

Enquanto professor, estou habituado a revoltas e a gritos de “Injustiça!”. Sempre que publico os resultados de um exame segue-se uma série de visitas de estudantes ao meu gabinete. Trazem espelhadas no rosto as suas negativas. Compreendo a desilusão dos estudantes, mas acho mais interessante a sua aparente revolta moral. Os estudantes, tal como os funcionários, acham-se profundamente injustiçados sempre que as coisas correm mal mas, curiosamente, nunca detectam injustiças quando tudo lhes corre bem. Nunca um estudante vem protestar por ter tido 16 valores quando não o merecia; nunca um ministro duvida da justiça de uma reforma insólita.

Os gritos de injustiça, na maior parte dos casos, não exprimem qualquer indignação genuína com a injustiça do mundo em que vivemos. Se assim fosse, todos estaríamos quotidianamente na rua a gritar pelo fim da pobreza absoluta, ainda que à custa do abaixamento dos nossos padrões de vida. Em geral, os gritos de injustiça são uma forma racionalizada - no sentido psicológico - de exprimir descontentamento. Mas este descontentamento pode bem referir-se a uma situação que é inteiramente justa, tal como uma situação perfeitamente injusta pode gerar uma acomodação auto-satisfeita.

Para sabermos se os gritos de injustiça têm algum conteúdo substantivo, temos de saber primeiro em que consiste a justiça. Armados de uma concepção de justiça, poderemos então localizar as injustiças, mas não antes. Pensemos no caso específico das desigualdades na distribuição de rendimentos e benefícios sociais. Uma das visões presentes na nossa sociedade considera que estas desigualdades são injustas e que o Estado as deve corrigir. A nossa cultura, cristã e moderna, leva-nos a considerar que todos os homens são iguais em dignidade e direitos. Se não há escravos naturais, se não existem hierarquias sociais fixas, também não parece haver razões para admitir, em princípio, qualquer desigualdade na distribuição de rendimentos e outros benefícios.

A visão contrária a esta considera que a sociedade é desigual por natureza e não há muito a fazer em relação a isso. Algumas pessoas têm mais e outras têm menos, da mesma forma que uns tem os olhos escuros e outros os têm claros, ou que uns têm jeito para o negócio e outros para o ócio. Se o Estado quiser corrigir estas desigualdades estará a intrometer-se na liberdade individual e a gerar uma série de efeitos perversos. Por isso, mais vale deixar a distribuição dos rendimentos e de outras vantagens da vida em sociedade aos mecanismos do mercado.

Nenhuma destas duas visões da justiça parece dar razão à revolta em curso. A visão anti-igualitária justifica facilmente os cortes na despesa do Estado com os seus funcionários e convida a transferi-los, tanto quanto possível, para o sector privado. A perspectiva igualitária, por seu turno, está mais preocupada com os que estão pior (os muito pobres, os desempregados) e não propriamente com a redução de algumas regalias especiais, sejam elas de trabalhadores administrativos, de militares ou de deputados. Em suma: quando alguém grita “Injustiça!” isso não significa necessariamente que, para além do ruído, exista um argumento.



publicado por psylva às 21:19
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds