Sábado, 23 de Julho de 2005
O monstro
O "monstro" das finanças públicas regressou ao nosso jet-set. Infelizmente, a fama não significa conhecimento. Os erros à volta do tema são legião.

Primeiro deve dizer-se que o referido bicho não é, como se julga, o défice orçamental. O nome próprio da besta é "despesa pública". Este pequeno detalhe é decisivo, porque revela a diferença radical entre medidas aparentemente equivalentes. Subir impostos reduz o défice, mas alimenta o monstro das despesas, que assim ganha justificação para engordar mais. Viu--se nas últimas décadas que os aumentos fiscais, sempre apresentados como inevitáveis e tem- porários, vieram só inchar sucessivamente o Orçamento. Descer despesas é a única forma de dominar a alimária.

O défice é um problema grave, sobretudo pelas implicações financeiras no equilíbrio do euro. Mas é a despesa que tem consequências económicas verdadeiramente monstruosas. Ela representa a terrível carga esmagadora que oprime a economia e atrasa o desenvolvimento.

Ninguém pode ter dúvidas sobre a dimensão assustadora da fera. O total das despesas orçamentais, quase metade do PIB, não é o maior da Europa, mas o único entre os parceiros que regista uma tendência claramente ascendente. A previsão da Comissão para 2006 é que ultrapassemos, pela primeira vez, as médias dos 15 e dos 25 países. Pior do que isso, o peso dos salários públicos (14,7% do PIB em 2004) é já o terceiro mais elevado da UE, só ultrapassado por Suécia e Malta. O problema é grave e está pior que nunca.

O surto recente de discussão trouxe à baila a questão da ascendência do animal. Alguns descobriram que o pai é... Cavaco Silva, por ter criado em 1989 o "novo sistema retributivo da função pública" (porque não, já agora, culpar Afonso Costa ou Mouzinho da Silveira?). Esta confusão permite, porém, elucidar um segundo erro muito comum. As remunerações são só uma parte, mas capital, do mastodonte. O mal aí, porém, não é tanto o nível de salários dos funcionários mas o seu número.

Quando o anterior sistema de remuneração foi criado em 1935 havia 25 mil funcionários públicos. O novo sistema de 1989 atingiu um universo de 500 mil. Foi por isso que, além da nova tabela, o Governo de então criou a chamada "lei dos disponíveis", que pretendia gerar uma Função Pública mais reduzida e ágil, justificando as remunerações superiores. Nos últimos 15 anos, com maiores salários, os funcionários em vez de descerem ultrapassaram os 700 mil. É esta ineficiência explosiva, paga a peso de ouro, que cria o paquiderme.

As medidas agora anunciadas constituem, só por si, uma mini-reforma da Administração Pública. Mas ela só domará o colosso se vier a reduzir efectivamente a força laboral. Reduzir, mas reduzir mesmo a sério! E até isso não será suficiente.

Este programa, mais ambicioso e corajoso que os anteriores, será claramente escasso, servindo apenas para adiar a crise, se não entender um ponto essencial a solução do problema não vem de grandes medidas gerais ou, até, de acções do Ministério das Finanças. Ela só será possível com um esforço concertado de todos os sectores que realmente gastam os recursos.

É preciso fechar serviços, cortar duplicações, perseguir o desperdício, promover a eficácia em cada ponto do Sector Público. Isso só sucederá com uma mudança radical de mentalidades. Os funcionários, dirigentes e ministros têm de entender que o inchar dos números só contribui para abater a imagem e a sustentabilidade do próprio funcionalismo. Pelo contrário, uma Administração pequena, competente e eficaz seria prestigiada e influente. Um dos grandes mistérios deste processo é que os sindicatos e governantes tenham aplaudido ou tolerado as sucessivas entradas de funcionários, que só degradaram e desprestigiaram a sua própria função. Aqueles poucos que trabalham e se esforçam por fazer funcionar os serviços são os grandes prejudicados pela massa de parasitas que corrompe o Estado. O monstro blindado nunca morrerá à espadeirada. Só com uma infecção interior.





publicado por psylva às 10:53
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds