Sábado, 23 de Julho de 2005
A não competitividade europeia


O euro e a Agenda de Lisboa aumentaram drasticamente as expectativas e os objectivos europeus.

Infelizmente a realidade dos números tratou de desmentir ambos: 1) a Europa está longe dos números dos EUA; 2) e (o que é pior) nem sequer está a caminho de os apanhar (convergir).

O PIB ‘per capita’ europeu é 70% do americano. E nos últimos 25 anos (1980-2005) a Europa cresceu em média menos que os EUA. Logo, a este ritmo, se o passado for prólogo, a Europa nunca apanhará os EUA. A Europa está em processo de divergência com os EUA.

Porquê? O PIB ‘per capita’ é fruto do produto de 4 factores: (1) produtividade horária x (2) número de horas trabalhadas x (3) taxa de actividade x (4) taxa de emprego.

Ora em todas as 4 variáveis os Europeus são piores: são 16% menos produtivos por hora que os americanos; trabalham por ano menos 11% de horas; têm uma população activa menor (49% contra 50,3%); e uma maior taxa de desemprego: 7,7% contra 6%.

Pelo que, e em síntese, os americanos trabalham melhor e mais que os europeus. Porquê? Novamente há várias razões.

Apontemos seis: são mais novos (mediana de idade de 36 contra 39 anos na Europa). Têm maior diversidade na força de trabalho (46% contra 43% são mulheres e a (i menos e)migração representa anualmente 0,45% da população contra 0,25% na Europa.

São mais motivados: 80% têm muito orgulho no seu país contra 50% dos britânicos, 38% dos franceses e 25% dos italianos. Ora, é mais difícil estar-se motivado quando se acredita ter-se nascido no país errado...

Depois, os americanos são mais autoconfiantes: 65% acredita que o seu sucesso depende sobretudo deles (contra 39% na Europa).

E finalmente têm mais liberdade económica que a UE 15 (com a excepção de Irlanda, UK e Dinamarca). Ora a correlação entre o índice de liberdade económica (da Fundação Heritage) e o de competitividade (do World Economic Forum) é muito forte: 0,62 (estatisticamente significativa a 1%).

Por estas razões, a UE 15 não só está longe da competitividade americana, como se está a afastar dela. Significando que mais do mesmo não é solução. É preciso ser diferente. Um salto qualitativo. Que requer rupturas, transformações.

É assim estamos caídos nas tão faladas reformas estruturais. Cuja necessidade é óbvia. Porque, o maior garante de estado social é a produtividade.



publicado por psylva às 10:52
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds