Domingo, 10 de Abril de 2005
As palavras e os pensamentos confundidos


Em determinado pais, havia um efectivo favorecimento à natalidade.
Necessitando de mão-de-obra, o governo decretara uma lei que obrigava os casais a terem um certo número de filhos, prevendo também uma tolerância de cinco anos, no fim dos quais o casal teria que ter pelo menos um filho.
Aos casais que no fim do prazo não conseguissem ter um filho, o governo destacaria um "agente auxiliar" para que a criança fosse gerada...

E, assim, tivemos este diálogo entre um casal :
Mulher - Querido, completamos hoje cinco anos de casamento...
Marido - E infelizmente não tivemos nenhum filho...
Mulher - Será que eles vão mandar o tal agente?
Marido - Não sei...talvez mandem...
Mulher - Se ele vier?
Marido - Bem, eu não posso fazer nada...
Mulher - Eu, menos ainda...
Marido - Vou sair, pois já estou atrasado para o trabalho...
Logo após a saída do marido, batem à porta. A mulher corre a abri-la e encontra um homem à sua espera. Tratava-se de um fotografo que errara o endereço ao qual deveria atender...

Homem - Bom dia... eu sou.....
Mulher - Ah!...já sei. Pode entrar...
Homem - O Seu marido está em casa?
Mulher - Não... ele foi trabalhar...
Homem - Presumo que ele já esteja a par...
Mulher - Sim. Ele está a par. Também concordou...
Homem - Óptimo, então vamos começar...
Mulher - Mas já... tão rápido?
Homem - Preciso ser breve pois tenho 16 casas para visitar...
Mulher - Minha nossa! E o senhor aguenta?
Homem - Sim, pois eu gosto do meu trabalho. Alem disso, ele dá-me muito prazer...
Mulher - Então vamos começar. Como faremos?
Homem - Permita-me sugerir: uma no quarto, duas no tapete, duas no sofá, uma no corredor e uma no banheiro...
Mulher - Nossa senhora! Não está a exagerar?
Homem - Bem, na primeira tentativa podemos acertar na mosca.....
Mulher- O senhor já visitou alguma casa neste bairro?
Homem - Não, mas tenho comigo algumas amostras do meu trabalho (mostrando fotos de crianças). Não são lindas?
Mulher - Como são belos estes bebes. Foi o senhor que os fez?
Homem - Sim. Veja esta aqui, por exemplo, foi conseguida na porta de um supermercado...
Mulher - Que horror, o senhor não acha muito público?
Homem - Sim, mas a mãe queria muita publicidade..
Mulher - Eu não teria coragem de fazer isso...
Homem - Esta aqui foi em cima de um autocarro...
Mulher - Porra!
Homem - Foi um dos serviços mais difíceis que eu já fiz...
Mulher - Eu imagino...
Homem - Esta foi feita no inverno num parque de diversões...
Mulher - Credo! Como é que o senhor conseguiu?
Homem - Não foi fácil, como se não bastasse a neve a cair, tinha uma multidão à nossa volta. Quase não conseguia acabar...
Mulher - Ainda bem que sou discreta e não quero ninguém a olhar...
Homem - Óptimo. Eu também prefiro assim. Agora se me dá licença, eu vou armar o tripé...
Mulher - Tripé? Tripé para quê?
Homem - Bem, madame, é necessário. O meu equipamento, além de pesado,depois de armado mede um metro...

A mulher desmaiou...


publicado por psylva às 16:27
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds