Segunda-feira, 10 de Julho de 2006
Ecos da História


“Somos uma raça decaída por ter rejeitado o espírito moderno: regenerar-nos-emos abraçando francamente esse espírito. [...]” (A. de Quental, 1871).


Por um lado... Ribeiro Macedo, diplomata (1618-1680): “A nação portuguesa não cabendo nos seus limites saiu a descobrir o mundo e achámos das mais férteis e ricas partes do mundo... nelas temos colónias... que compram roupas e manufacturas da Europa... donde é dos estrangeiros a utilidade das nossas descobertas sendo nós uns feitores das nações europeias... só a introdução da indústria fará com que sejamos senhores úteis do Brasil...”

Agravado por uma classe dirigente (séc. 19) “de estirpe não boa... com eles tudo é indefinido... pouca ambição, pouco espírito de luta” (Infanta D. Maria Teresa, primogénita de D. Carlota e D. João). “A união das classes dirigentes e da Inquisição fez de Portugal um reino da estupidez” (F. Melo Franco - séc. 18/19).

Donde (Antero de Quental, Conferências do Casino em 1871): “Nunca povo algum absorveu tantos tesouros, ficando ao mesmo tempo tão pobre”. E sobre a macrocefalia portuguesa: “Lisboa não foi Portugal até meados do século 14, mas desde que a vida ultramarina nos absorveu tudo, Portugal sempre produziu pouco, dependendo das colónias, com a cabeça demasiado grande para corpo tão pequeno”... “Portugal é Lisboa e o resto é paisagem”... “Lisboa absorveu Portugal... uma cabeça de gigante num corpo de pigmeu”... (Oliveira Martins, 1989).

Que fazem os portugueses? “Vivem do Estado... desde os 1os exames, a mocidade vê nele o seu repouso e garantia de tranquilidade... a própria indústria faz-se proteccionar do Estado... o qual é a ociosidade organizada... também a ciência vive do Estado... e este é a ocupação natural das mediocridades” (Eça de Queiroz).

Outra consequência é o complexo de inferioridade que leva a que os “portugueses são excessivamente orgulhosos e presumidos... e aparentam grande magnificiência embora sejam completamente ignorantes” (César Saussure, suíço, após visitar Portugal). E em consequência também desse complexo, a maledicência: Cifuentes, embaixador espanhol em Roma (séc. 16): “os portugueses quando interrogados sobre um compatriota, por mais eminente que seja, sempre o aniquilam; já os castelhanos, perguntados sobre outro castelhano, mesmo vulgar, sempre o enaltecem. Porque será?”. Resposta de D. H. de Meneses, embaixador português: “Porque ambos mentem”.

Por outro lado: “Antes de os conhecer imaginava que os portugueses dificilmente compreendiam os trabalhos mecânicos e que passavam os dias numa moleza decrépita sem disposição para o trabalho. Nada mais injusto. Excepto as classes dirigentes e os serviços inúteis, todo o resto da nação é trabalhadora e habilidosa” (C. Ruders, visitante sueco, séc. 19).

Em síntese: “Somos uma raça decaída por ter rejeitado o espírito moderno: regenerar-nos-emos abraçando francamente esse espírito. O seu nome é revolução, não pela guerra mas pela verdadeira liberdade” (A. de Quental, 1871).

Até porque, lutar contra a mudança é não só reaccionário, como niilista: “Dizer que uma coisa é má por ser nova é dizer que todas são más, uma vez que as velhas já foram novas no seu princípio” (Hipólito Costa, 1774-1823).



publicado por psylva às 13:23
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds