Sexta-feira, 25 de Fevereiro de 2005
Os velhos do restelo - reproduçao de artigo do JNeg.
Aos velhos do Restelo, só deixo um conselho – suicidem-se. Porque não entendem que é pelo vosso atavismo que o País não anda para a frente? Não invejem, criem. Não lamentem, trabalhem. Não chorem, empreendam.
O meu texto da passada semana – sobre a necessidade de se gostar do que se faz profissionalmente – suscitou uma chuva de comentários desagradados com a ideia. Um tal de «pase2004» escreveu que «a conversa do senhor José Diogo deve dirigir-se só a partes de sociedades como as alemãs, austríacas, dos Países Baixos, inglesas, francesas, espanholas, ou americanas. Porquê? Simplesmente porque essas sociedades, e mais nas anglo-saxónicas, valorizam quem é bom naquilo que faz, e não quem é amigo, familiar ou carneiro yesman.» Um «luisr» acrescentou que «a corja de patifes que tem governado este beco europeu não deixa margens para dúvidas. É muito triste, é fado,... é tuga. O meu amigo crê honestamente nalguma viabilidade do que escreve, ou é só para animar a malta?» E já um Sonhador perguntava «já agora, como conseguiu o emprego que, aparentemente, lhe paga o suficiente para andar no mundo da fantasia? Ou será que mantém até hoje o «paitrocínio»?». Só para este onírico desconfiado, gostaria de confirmar que tudo o que tenho é fruto do meu trabalho e da minha motivação. Aos meus pais devo a formação moral, cívica e académica. Muito obrigado.

Mas o que desgosta nestes velhos de Restelo é a sua incapacidade em acreditarem. É uma gente derrotada que não confia em nada e, mais triste, não acredita nela própria. É a tal história do fado, do miserável destino «tuga». Parece que Portugal está condenado a gramar com estes perdidos, que para além de nada fazerem, se entretêm a destruir o que os outros fazem. Por acaso Belmiro de Azevedo ganhou o totoloto? Jardim Gonçalves herdou um banco? Rui Nabeiro encontrou uma plantação de café em Campo Maior? Paulo Fernandes descende de uma família de jornalistas? O que irrita nestes miseráveis é que se limitam à lamentação da sua má sorte, atribuindo o sucesso dos outros à sorte, às cunhas ou ao roubo. Nunca vêem o mérito de quem faz e nunca olham para si próprios como os verdadeiros párias que são – porque, pensam, é a sociedade que não os compreende, o sistema que não os valoriza, a má-sorte que não lhes ofereceu uma merecida herança. A estes imbecis, só deixo um conselho – suicidem-se. Porque não entendem que é pelo seu atavismo que o País não anda para a frente? Não invejem, criem. Não lamentem, trabalhem. Não chorem, empreendam. Acredito que o homem tem em si mesmo a capacidade de determinar e construir o seu destino. Nada é pré-determinado. Mas esta gente não tem nem passado nem futuro, porque se limita a conspirar contra o sucesso alheio e a gemer pela sua entediante situação.

São estes mesmos idiotas que no próximo domingo se entreterão a faltar às urnas ou, num igual estado de laxismo, a votar em branco. «Nada vale a pena, os políticos são todos iguais... estão lá é para «mamar» à nossa conta. Isto já não tem solução», reclamam. Caríssimos: têm uma oferta eleitoral que se estende da extrema-esquerda à extrema-direita. Podem ainda tentar jogar em combinações de maiorias governativas pós-eleitorais. E têm ainda o direito de criarem os seus próprios partidos e irem à luta. O que não têm, para mais num momento tão difícil e determinante para o País, é o direito de ficarem nos vossos sofás, entretidos no vosso coro de protestos vazios. Portugal precisa de todos os portugueses para sair do atoleiro em que se meteu. Mas Portugal necessita, mais do que isso, de uma coisa simultaneamente tão básica como difícil. Que os portugueses se deixem de mariquices e de auto-complacência e acreditem neles, empenhando-se na solução dos nossos problemas comuns – o que passa pelo exercício de uma opção eleitoral. Um português não é, em absolutamente nada, diferente de um espanhol, de um inglês ou de um americano. Eu sei, porque já estive no estrangeiro e vi que, lá fora, os homens e as mulheres têm as mesmas duas pernas, os mesmos dois braços e a mesmíssima cabeça. O que falta ao cérebro dos portugueses é saber que aquilo que se quer, se consegue. Estudem, inovem, trabalhem, persistam e acreditem. É assim em tudo o mundo, quando se quer o sucesso. E é da mesma forma em Portugal. Não culpem o sistema, os políticos, os vizinhos, ou o azar pelo que não têm. Culpem-se a vocês e libertem-se dessas limitações. Portugal precisa. Vocês também, mas Portugal precisa muito mais.





publicado por psylva às 21:49
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds