Terça-feira, 20 de Junho de 2006
E se o dólar desvalorizar?


Samuel Brittan



Se a desvalorização do dólar é inevitável, é do interesse de todos que o ‘crash’ aconteça quanto antes. E porquê? Porque evitaria retaliações.

Segundo o Banco Internacional de Pagamentos, os preços das acções têm vindo a descer e os preços das matérias-primas estão cada vez mais voláteis. E isto não se deve aos receios em torno da subida da inflação ou dos preços das taxas de juro, deve-se sim ao nervosismo que hoje grassa entre os detentores de activos de risco, em especial os directamente ligados a acções e obrigações dos mercados emergentes. O Banco Central Europeu (BCE) volta a apontar, no seu Relatório de Estabilidade Financeira de Junho, ”os desequilíbrios financeiros globais” como principal fonte de risco e vulnerabilidade – uma observação que traz implícita a queda do dólar.

Quando me sugeriram que analisasse as implicações globais de uma forte depreciação do dólar, ocorreu-me que há uma grande diferença entre as consequências de tal cenário e a previsão da sua ocorrência. Em vez de consultarmos a bola de cristal, talvez seja melhor ponderar sobre os riscos inerentes e as políticas a adoptar para debelar a situação.

Tomemos uma depreciação do dólar na ordem dos 20% durante várias semanas. Inicialmente, esta queda afectaria particularmente o euro, no entanto, uma desvalorização tão drástica do valor externo do dólar deveria, antes de mais, levar os governos asiáticos a pôr termo à acumulação de activos e a proceder à sua alienação.

Mas mais importante são as circunstâncias em que este ‘crash’ pode ocorrer. Pessoalmente, tenho mantido um certo cepticismo face ao discurso sobre os desequilíbrios internacionais e respectivas panaceias. E explico porquê. Porque uma desaceleração no mercado imobiliário dos EUA resultaria num forte revés para o poder de compra dos consumidores norte-americanos, que resultaria, por sua vez, numa acentuada depreciação do dólar. Neste contexto, a Reserva Federal norte-americana teria, forçosamente, de alterar a actual política, aumentando gradualmente as taxas de juro de curto prazo. Em suma, tanto as perspectivas económicas imediatas como o comportamento dos diferenciais das taxas de juro internacionais seriam pessimistas para o dólar. O mercado obrigacionista entraria em queda e as taxas de juro reais e nominais de longo prazo tenderiam a subir, abrindo caminho a uma nova recessão.

Os resultados da economia norte-americana não têm, necessariamente, de ser adversos. A prova é que nem a debilidade da economia nacional – no fundo, o verdadeiro cerne do problema – a impede de manter um crescimento médio anual de 3% a 4%. A gravidade da situação dependeria, acima de tudo, dos desenvolvimentos no resto do mundo. Os optimistas esperam que este cenário sirva de estímulo à procura na zona euro e nos países asiáticos, enquanto os pessimistas receiam que os líderes europeus – como Jacques Chirac – possam retaliar reforçando as barreiras proteccionistas, desvalorizando a competitividade ou introduzindo taxas danosas nos movimentos internacionais de capital.

Segundo previsões do Fundo Monetário Internacional e da OCDE, este cenário terá provavelmente lugar durante um período de crescimento económico no resto do mundo. A verificar-se, não haveria consequências de maior caso a Europa e a Ásia falhassem a implementação de medidas de estímulo à procura interna. Melhor, uma ligeira inflexão nos EUA poderia, até, revelar-se bastante benéfica.

Se a desvalorização do dólar é inevitável, é do interesse de todos que o ‘crash’ aconteça o quanto antes. E porquê? Porque evitaria retaliações e leituras perversas dos governos europeus e asiáticos, dada a actual vaga de crescimento. Todavia, isto não basta para satisfazer o apetite dos mais pessimistas. Vamos supor que o preço do petróleo dispara para os 100 dólares ou mais por barril. Nesse caso, os bancos centrais teriam de controlar a procura independentemente do aumento da capacidade industrial e dos escassos indícios de pleno emprego. E os EUA seriam, obviamente, os mais afectados, na medida em que as suas importações energéticas são mais elevadas por cada dólar face ao PIB do que noutros países industrializados.

O pior cenário vai, contudo, além das teorias económicas convencionais e pode perfeitamente ser desencadeado com o encerramento do Estreito de Ormuz. Em vez de uma frente económica, passaríamos a ter duas outras frentes – a militar e a diplomática. A acontecer, o dólar seria a menor das nossas preocupações. Crises semelhantes no passado ensinaram-nos que, num cenário destes, se dá primazia a activos imobiliários, a reservas em ouro ou jóias em detrimento dos activos monetários. Mas não há dúvida de que o dólar sofreria muito mais do que o euro e a libra esterlina.

A pergunta que coloco é: conseguirá o Congresso norte-americano aplicar medidas orçamentais eficazes que lhe permitam agir em vez de reagir aos acontecimentos?


publicado por psylva às 14:14
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Financiamento Imobiliario a 3 de Outubro de 2009 às 17:37
Entretanto o dolar já baixou e subiu novamente. Acho que os efeitos não foram tão maus assim considerando tudo o que os americanos fizeram ao sistema económico. Muita especulação e lucros rápidos para os amiginhos e depois saem de fininho antes da bomba rebentar.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds