Sábado, 1 de Janeiro de 2005
As notas da "mão invisivel"
ANÍBAL CAVACO SILVA - Continua a ser uma das grandes referências políticas do nosso país.

Quando fala o país ouve-o embevecido, pois mesmo aqueles que dele discordam reconhecem-lhe qualidade, conhecimento, em suma profundidade, ao contrário do que se verifica com muitos dos actuais políticos cuja superficialidade é constrangedora. Vai ser o candidato à presidência, como se confirmará em 2005, de todos os que preferem a eficiência ao mediatismo e a realidade à aparência.

ANTÓNIO GUTERRES - Depois de ter terminado, como é usual quando se está prestes a abandonar, o poder em solidão, tem vindo a preparar o seu renascimento como candidato presidencial. As suas últimas intervenções públicas confirmam que não é dele que o país precisa face aos tempos actuais e que se avizinham. Esperemos que os portugueses mantenham fresca a sua memória.

DURÃO BARROSO - O actual presidente da União Europeia – cargo que nos orgulha – nunca pensou, nem nos seus piores sonhos, que após a sua saída se sucederia esta enxurrada de factos políticos. Não é fácil explicar aos portugueses que está absolutamente isento de responsabilidade, ainda que indirecta. Não deixa, no entanto, de ser curioso que muitos dos que o atacaram tenham saudades dele.

FRANCISCO LOUÇà - Representa a esquerda intelectual, de discurso contundente, esperto e demagogo. O facto de liderar um partido de contra-poder permite que assuma posições populistas e, por vezes, enganadoras. É interessante e divertido ouvi-lo, mas saber que não chegará – esperamos!!! – ao poder permite-nos dormir descansados; aliás, se chegar corre o risco de desaparecer.

JERÓNIMO DE SOUSA - O novo líder comunista em vez de alargar a base de eleitorado diminui-a, mas, em contrapartida, assegura a manutenção do poder da linha dura do partido. Parece ignorar que o autismo que afecta o seu partido poderá levá-lo a tornar-se num ser vegetativo. As reiteradas incriminações por delito de opinião dos seus membros são bem demonstrativas que é um partido anacrónico que nem a constante ”hemorragia eleitoral” permite perceber que o caminho está errado. É um partido que revela dificuldades em coexistir com a democracia.

JORGE SAMPAIO - O processo de dissolução da Assembleia da República correu formalmente mal; e não se diga que a forma é pouco relevante. Também quanto à substância não está isento de reparos. De qualquer forma continua a ser para os portugueses o garante institucional, o que demonstra o erro de o envolver em querelas partidárias.

JOSÉ SÓCRATES - O novo líder do PS está a um passo, de acordo com as sondagens, de ganhar as eleições. Nada fez para o merecer, o seu projecto é desconhecido e a sua equipa ignorada; o pouco que se sabe e se vê lembra Guterres, o que para o país não augura nada de bom e que bem pior será se, por acaso, tiver maioria absoluta.

LUÍS MARQUES MENDES - Teve a coragem de dizer em voz alta, o que muitos pensavam mas a dependência política não lhes permitiam afirmar. Disse-o no sítio certo e o partido sabe que, em momentos como os que se aproximam, a sua experiência, capacidade e sentido de Estado são cruciais para o eleitorado. É indispensável para os próximos desafios.

PAULO PORTAS - Sai de 2004 demonstrando, aos mais cépticos, que em política só depois de ”morto e enterrado” é que se está extinto. Viveu momentos muito complicados e adversos, mas a sua força – como lhe reconhecem mesmo os seus adversários – e a mudança de líder no PSD jogaram a seu favor. Em 2005 não terá uma tarefa fácil – a acreditar nas sondagens – mas o seu lugar - pelo menos o de líder - parece estar garantido.

PEDRO SANTANA LOPES - O actual líder do PSD joga nestas eleições o seu futuro político. Muitos anunciam o seu final como actor político, mas convém não passar já a ”certidão de óbito”, pois o futuro pode reservar algumas surpresas. O ano de 2005 será o da confirmação, seja do que for.


publicado por psylva às 22:30
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds