Quarta-feira, 1 de Dezembro de 2004
A liberdade de imprensa
Ultimamente tem-se falado muito de jornalismo. Discute-se a liberdade de imprensa, denunciam-se pressões sobre a comunicação social, lamentam-se os abusos dos repórteres. Mas duas coisas têm passado em claro e vale a pena sublinhar.

A primeira é que a nossa imprensa falada ou escrita é, em geral, muito má. Existem notáveis profissionais, boas publicações e equipas esforçadas, mas o balanço global é muito deficiente, como esses jornalistas admitem. Em boa medida isto deve-se aos turbulentos últimos 30 anos. Depois do «caso República», da ocupação da Rádio Renascença e dos mais de dez anos de nacionalização, seguiram-se várias «revoluções» que formaram a natureza do jornalismo português livre. Os episódios mais marcantes são, entre outros, as fotomontagens do Jornal Novo em 1975, o nascimento da TSF Rádio Jornal em 1984, de O Independente em 1988, da SIC em 1992 e da nova TVI em 1997. Cada um deles trouxe acutilância e substanciais melhorias na qualidade técnica da informação, que hoje goza de toda a dignidade de uma sociedade livre e moderna. Mas dois elementos têm- -lhe desfigurado o rosto: a unanimidade e o narcisismo.

Em todos os países os jornais alinham-se no espectro ideológico. Cada leitor sabe o que lê ou ouve, porque o periódico define-se como de esquerda, direita, moderado ou crítico. Entre nós os media julgam- -se isentos, imparciais, verdadeiros. A consequência é que todos dizem quase o mesmo. Estiveram a favor de Guterres e a seguir contra, foram contra Barroso e agora contra Santana. Quando apoiam, hesitam. Mas quando se opõem, fazem-no de forma radical, contra tudo, sem concessões, definitivamente. E em cada caso, na sua neutralidade, nunca pensam veicular a sua opinião, mas descrever uma evidência.

Por outro lado, a imprensa está fascinada consigo mesma. Considera-se o máximo, exulta na própria magnificência. Basta ver o espaço que gasta a falar de si e o desprezo que despeja sobre quem a critica. Os comentadores comentam comentadores. Os jornalistas passam por especialistas e criticam relatórios, classificam estudiosos, ridicularizam responsáveis. A mensagem desaparece atrás da sedução do mensageiro.

Infelizmente, apesar das honrosas e sofridas excepções, a realidade está muito aquém da imagem. Os disparates que se dizem! Enquanto continuarem a resumir assuntos complexos em dualidades simplistas, a promover tricas espúrias diante de dilemas sérios, a resumir acontecimentos importantes em ridículos apontamentos de reportagem, não se chegará à qualidade mínima. Apresentar como a opinião do público três entrevistas de rua não é jornalismo, é manipulação boçal. Triunfar perante um lapso de um ministro, um detalhe insólito, uma controvérsia de pormenor, sem sequer pensar na relevância do aspecto escolhido, é desvirtuar uma função crucial. É fácil desrespeitar o nosso jornalismo!

Mas há um outro lado: a razão porque a imprensa deve ser respeitada não é porque ela seja boa, mas porque ela é imprensa. Trave fundamental da civilização e da liberdade, ela tem de ser preservada mesmo quando não se sabe dar ao respeito.

Quem insulta, pressiona ou, pior de tudo, manipula a comunicação torna-se a sua maior vítima, como a censura aprendeu.

É urgente fazer tudo para que a imprensa melhore, mas muitos dos esforços nesse sentido agravam o que dizem promover. A única resposta à má qualidade é a qualidade na resposta.





publicado por psylva às 12:28
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds