Terça-feira, 20 de Junho de 2006
Perigo: chefia tóxica!

Em todas as facetas da vida existem emoções positivas e negativas. As organizações não constituem excepção. O problema de tais emoções não advém portanto da sua existência, mas da forma como são ou não geridas. Uma expressão de língua inglesa ajuda a perceber o alcance construtivo das emoções negativas: No pain, no gain. Ou seja, a privação e o sofrimento podem ser um factor de amadurecimento e de desenvolvimento. No entanto, para que a relação entre dor e crescimento seja construtiva é necessário que as "dores de crescimento" sejam acompanhadas de esperança, de autoconfiança e da noção de que o objectivo a alcançar (por exemplo, uma mudança difícil, uma fusão com um anterior concorrente) é digno do esforço e das dificuldades que é necessário atravessar.

Lamentavelmente, as emoções negativas são frequentemente acompanhadas de incerteza, de negrume, de pessimismo de medo. Quando tal sucede, a emoção não é construtiva e o sofrimento não gera ganhos de crescimento pessoal. As toxinas, em vez de serem excretadas, vão-se acumulando até tornarem a organização tóxica. Um dos modos mais profícuos de compreender a toxicidade organizacional foi preconizado por Peter Frost, um investigador canadiano recentemente falecido. Frost identificou sete formas de toxicidade, a maioria delas associada ao comportamento das chefias: intencionalidade, incompetência, infidelidade, insensibilidade, intrusão, indutores institucionais e inevitabilidade. Distinguindo estas formas de toxicidade:

Fonte da intencionalidade - explanação: os superiores provocam deliberadamente o sofrimento dos colaboradores; exemplo de comportamentos e ocorrências: o líder ridiculariza, critica em público, ameaça, persegue.

Fonte da incompetência - explanação: os gestores denotam fraca inteligência emocional; exemplo de comportamentos e ocorrências: as promoções são feitas com base em critérios meramente "técnicos", sendo descuradas as capacidades de liderança e de gestão de equipas.

Fonte da infidelidade - explanação: os superiores traem a confiança dos subordinados; exemplo de comportamentos e ocorrências: a confidencialidade é violada, as promessas são quebradas.

Fonte da insensibilidade - explanação: os superiores não compreendem o alcance emocional dos seus comportamentos sobre os colaboradores e são insensíveis aos efeitos dos seus actos sobre as pessoas; exemplo de comportamentos e ocorrências: o impacto emocional das decisões não é considerado e espera-se que os trabalhadores deixem as emoções à entrada da empresa.

Fonte da intrusão - explanação: os superiores fazem microgestão e denotam uma tendência para o controlo total e exacerbado; exemplo de comportamentos e ocorrências: os chefes orientam-se para a gestão dos mais ínfimos e secundários pormenores e não é concedida autonomia aos colaboradores.

Indutores institucionais - explanação: as políticas e as normas organizacionais são inadequadas às realidades, aos problemas e às características dos colaboradores. exemplo de comportamentos e ocorrências: as normas introduzem sentimentos de insatisfação ou injustiça e a norma geral não é adequada para o caso particular.

Fonte da inevitabilidade - explanação: algumas causas de problemas, de toxicidade e de sofrimento estão fora do controlo dos decisores organizacionais, são inevitáveis, mas algumas organizações e chefias levam esta "inevitabilidade" ao extremo ou tomam-na mesmo como uma "vantagem" para os negócios; exemplo de comportamentos e ocorrências: morte de um chefe querido, catástrofe humana, incêndio, desastre, falência de um grande cliente, insucesso rotundo de um novo produto.

A toxicidade assim gerada tem consequências perversas sobre as organizações, as equipas, o desempenho, os colaboradores, as suas famílias e a própria sociedade. Suscita ambientes de desconfiança e de cinismo. Produz aumentos do absentismo, incrementa os abandonos da organização, induz actos de sabotagem, decresce a motivação e o desempenho dos colaboradores. Provoca problemas de saúde e bem- -estar aos seus membros da organização e aos respectivos familiares. Induz o aparecimento de comunidades humanas onde imperam o stress e as consequentes maleitas físicas e psicológicas. Induz, na sociedade, concepções cínicas acerca das organizações e da vida social.

A criação de ambientes salubres, marcados pela perseguição da justiça e do sentido de comunidade, está na origem de organizações de cidadãos, nas quais imperam contributos voluntários para a me- lhoria do sistema e onde a confiança prevalece sobre o cinismo. Como a construção do tipo de ambiente em que se vive e trabalha depende exclusivamente das escolhas individuais, particularmente das escolhas das chefias, tanto a toxicidade como a cidadania são caminhos abertos àqueles que depois os vão trilhar. C

Bibliografia: Frost, P. J. (2003). Toxic Emotions at Work. Boston, MA: Harvard Business School Press.


publicado por psylva às 14:03
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds