Sábado, 20 de Novembro de 2004
Da economia
Parto de duas interrogações recorrentes ao longo dos anos. Em actos do dia-a-dia, um diálogo do tipo: P: ”Profissão?”, R: ”Economista”; em momentos particulares, um interesse mais dirigido: ”O que é ser economista?”.

Aqui afloro a matéria com breves achegas sobre algumas contradições que me assaltam e perturbam.

1) Entre uma vulgarização da economia - com tudo o que ela tem de bom (menor opacidade de assuntos que afectam a vida corrente para um número crescente de cidadãos) e de mau (impressão de simplismo/facilitismo e conhecimento sem esforço) - e uma sofisticação abusiva das metodologias e técnicas utilizadas pelos estudiosos da economia (investigação fundamental e teoricismo, matematização e modelização).

2) Entre esta sofisticação – que aparenta conduzir a ciência económica a um patamar de ”expertise” e erudição sem paralelo e o quotidiano dos cidadãos à submissão a uma lógica implacável de ”verdade económica” – e a diminuta influência ou capacidade de previsão dos economistas sobre a marcha do mundo que os envolve.

3) Entre as determinações de muitos jovens que começam por se relacionar com a disciplina – compreender o que os rodeia a partir de uma instância económica de inequívoca centralidade na vida das sociedades – e as efectivas oportunidades futuras que ela lhes vem a abrir – actividades de âmbito micro crescentemente circunscritas e limitativas.

4) Entre a sólida formação de base (técnica e cultural) que deve constituir o fundamento primeiro de qualquer curso universitário e a sua substituição por pseudo-especializações altamente focalizadas, caixa de Pandora aberta pelas licenciaturas em Gestão e pela multiplicação sem regra de outras em áreas cuja atractividade se foi afirmando ao sabor de conjunturas permissivas de negócios de ensino superior lucrativos mas inconsequentes.

5) Situando-nos neste quadro mais ”especializado”, entre o desejo dos estudantes em acederem aos mecanismos reais que marcam a evolução das economias e a actividade das empresas, por um lado, e o nível de tecnicidade contemplativa, de desligamento face ao objecto ou de chocante inexperiência prática que define a maioria dos seus docentes, por outro. Dito isto, e olhando noutra direcção, fica por atacar a questão nuclear de um desejável recentramento da postura dos profissionais da Economia. Com três efeitos expectáveis: (i) o de uma potenciação das suas competências na análise das economias como elas são (”regresso aos factos”) mais do que na de como elas deveriam ser; (ii) o de um relacionamento aberto entre a Economia e outras Ciências Sociais (História, Sociologia, Psicologia, Direito,...) por forma a lograr um maior espaço de reflexão e um melhor entendimento do modo como as pessoas interagem para além da estrita mediação dos mercados e dos preços; (iii) o de uma menor funcionalização face a interesses, com a consequente afirmação do essencial primado das exigências democráticas e societárias sobre as determinações subsidiárias da lógica económica.


publicado por psylva às 11:10
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds