Terça-feira, 20 de Junho de 2006
Carrilho ganhou


Domingos Amaral



Carrilho lembra Octávio Machado, um treinador que, sempre que perdia, justificava a derrota com tremendas conspirações contra ele.

Infelizmente para todos os jornalistas, Manuel Maria Carrilho saiu vencedor da grande ofensiva que lançou contra eles. Mesmo tendo cometido um verdadeiro ‘hara-kiri’ político, e provavelmente colocado um ponto final na sua carreira política, Carrilho conseguiu arrastar consigo a imagem dos jornalistas, conseguiu poluí-la o suficiente para os descredibilizar na praça pública, minando a confiança que a população tem neles, e reavivando os preconceitos que sempre existiram contra os jornalistas.

Na verdade, desde o dia em que se começou a falar no livro de Carrilho, que os jornalistas caíram na armadilha. O livro era uma cilada, uma emboscada à má fila, passada num desfiladeiro rochoso e poeirento do velho Oeste, e os jornalistas caíram como patos, cercados e atarantados com as balas sujas que lhes eram dirigidas. Desde o primeiro dia que Carrilho conseguiu colocar a discussão onde lhe interessava, na suposta manipulação mediática de que foi vítima, desviando assim as atenções das razões políticas da sua derrota. Nas últimas semanas, não se discutiu que a derrota de Carrilho começou quando o PS não aceitou as condições do PCP para fazer uma coligação em Lisboa. Só isso, a mera aritmética eleitoral, retirava a Carrilho muitas das possibilidades de vitória. Sem coligação, era quase impossível a qualquer candidato do PS, Carrilho ou outro qualquer, vencer as eleições. Uns anos antes, Santana Lopes vencera sozinho contra o PS e o PCP coligados e liderados por João Soares, e isso deveria ter levado o PS e o PCP à reflexão. No entanto, as comadres zangaram-se, e foi aí que Carrilho começou a perder as eleições.

Contudo, e mesmo sem coligação, Carrilho ainda tinha hipóteses. Estava a lutar contra um candidato sem especial carisma – Carmona Rodrigues – e tinha um tremendo trunfo na mão, a péssima impressão que Santana Lopes causara. Poucos são os que recebem bónus destes antes de eleições, mas mesmo assim a campanha de Carrilho dispersou-se, em ideias e polémicas, em vez de se focar no essencial, que era mostrar as lisboetas que depois do caos podia vir uma certa tranquilidade.

Por outro lado, e nunca consegui perceber porquê, a campanha de Carrilho desperdiçou a poderosa arma chamada Bárbara Guimarães. Muito poucos políticos são casados com mulheres tão bonitas e tão populares como ela, e no entanto, por pura inabilidade da campanha, aquilo que devia ser um activo transformou-se rapidamente num passivo, e Carrilho nunca conseguiu transferir para si a simpatia popular que Bárbara Guimarães garantia. O célebre vídeo só teve a recepção que teve porque parecia “arma de propaganda”, inesperada e desesperada, quando devia ter sido recebido com total naturalidade.

A incapacidade política demonstrada por Carrilho gerou um enorme mal estar no candidato e no PS, e obviamente transmitiu-se à imprensa. Pouco a pouco, a campanha foi ficando minada por pequenos episódios, impressões, erros, e começou a cheirar a derrota muito antes de chegar ao fim. Todos os maus tratos de que Carrilho se queixa só se tornaram dolorosos porque o carro já ia desgovernado pela ribanceira abaixo. Quando começa a cheirar a derrota, tudo se torna penoso.

No futebol, as coisas são parecidas. Carrilho lembra Octávio Machado, aquele treinador que, sempre que perdia, odiava o mundo e justificava a derrota com tremendas conspirações contra ele, do sistema, dos árbitros, dos empresários. Agora são as “agências de comunicação”, os ‘opinion makers’, os “jornalistas avençados” mas o espectáculo é o mesmo.

Contudo, ao transformar-se numa espectacular vítima que está disposta a agredir tudo e todos, Carrilho conseguiu encurralar os jornalistas, que se viram na obrigação de o contestar, caso a caso, e ele arrastou-os para a lama com ele. Ninguém gosta de perder, e para não perder sozinho, Carrilho perde acompanhado. Os jornalistas não perceberam que não se pode discutir com a raiva, pois ela é uma emoção sempre mais forte que a razão. Carrilho não tinha razão, nunca teve, mas tinha raiva e isso chegou.
____


publicado por psylva às 14:00
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds