Quarta-feira, 29 de Novembro de 2006
Realidades paralelas

A diferença entre as percepções no mundo dos capitais e num mundo mais familiar, as carnes, pode ser abissal.

Ricardo Reis

No discurso comum, os mercados de capitais surgem quase sempre envoltos em mistério. Quando se misturam finanças, nacionalismo e política, então as discussões entram numa realidade paralela. A diferença entre as percepções no mundo dos capitais e nummundo mais familiar, as carnes, pode ser abissal. Vejamos:

Mundo das carnes: Você costuma comprar carne no talho do sr. Silva. No entanto, corre um rumor de que a carne está estragada. Quando lá foi a semana passada, você reparou nuns bifes azuis escondidos a um canto. Receoso, decide experimentar ir ao talho do sr. Pinto. Veredicto: você é responsável.

Mundo dos capitais: Estamos em 1997 e você tem as poupanças investidas em aplicações financeiras na Coreia do Sul. Corre um rumor de que o sistema financeiro coreano está a beira da falência. Você lê a imprensa económica que revela existirem, escondido pela contabilidade dos bancos, milhões em crédito mal-parado. Receoso, você decide vender as aplicações coreanas e trazer o dinheiro para Portugal. Veredicto: especulador maldito!

Mundo das carnes: O sr. Silva trabalha dia e noite, é sempre simpático, e você tem-lhe afeição. Custa-lhe vê-lo em dificuldades até porque os problemas devem-se à incapacidade que ele tem em ter mão nos trabalhadores. Mas, na última vez que lá foi, o bife que trouxe estava estragado e foi directamente para o lixo. Decide não ir lá mais. Veredicto: a saúde da sua família está primeiro.

Mundo dos capitais: Estamos em 2002 e a Argentina está em crise orçamental. Você tem muita afeição pelo rancho na Patagónia
herdado de um tio emigrante, e espera retirar-se para lá depois da reforma. Embora confie no ministro das Finanças Cavallo, você percebe que ele não consegue parar a espiral incontrolável de despesa dos governadores regionais. As finanças públicas estão em colapso, e alguns populares insatisfeitos já ocuparam parte do seu terreno. Você decide vender enquanto ainda lhe dão algum pelo rancho, antes que perca tudo. Veredicto: explorador insensível!

Mundo das carnes: Agastado, o sr. Silva anuncia que o seu filho, Afonso, vai passar a estar à frente do talho. O Afonso, quando era rapaz, vangloriava-se de nunca lavar as mãos e de ser muito manhoso nas suas tácticas para enganar os clientes nos trocos. Hoje, diz-se um homem mudado, mas você desconfia. Por isso, decide esperar uns tempos sem voltar ao talho até perceber se o Afonso afinal endireitou.Como os clientes não voltam, o sr. Silva começa a duvidar da decisão de nomear o Afonso. Veredicto: você é prevenido e sensato.

Mundo dos capitais: Em 2002, Lula da Silva concorre a presidente do Brasil e as sondagens dão-lhe a vitória quase garantida. No passado, Lula defendeu a expropriação dos capitais e o fim da política monetária estável seguida pelo banco central. Você decide por uns tempos manter as suas poupanças em Portugal em vez do Brasil. A fuga de capitais leva a que Lula caia nas sondagens. Veredicto: ataque à soberania nacional – estão a condicionar as escolhas democráticas dos brasileiros! Mundo das carnes: Num prédio com idosos, decide-se incumbir o sr. Velez de comprar a carne todas as semanas. Porque controla centenas de euros, quando o Velez responde às queixas dos idosos quanto à qualidade da carne, mudando do talho Silva para o Pinto, é o fim do talho Silva. Veredicto: o Velez zelou pelo interesse dos idosos.

Mundo dos capitais: Porque você não tem tempo para acompanhar o mercado de capitais, põe os seus investimentos a cargo de um fundo. O gestor do fundo, responsável por conseguir um bom retorno para os seus milhares de clientes, reage a más notícias na Tailândia em 1997 retirando os milhões que lá tinha investido. A Tailândia mergulha numa crise. Veredicto: capitalista cruel!

O ponto de vista nos veredictos sobre os mercados de capitais é compreensível. As crises financeiras trazem crises económicas com efeitos devastadores e atiram muitos para a miséria. Mas, culpar os misteriosos “especuladores” e o tenebroso “mercado de capitais” esconde os problemas em vez de os enfrentar. Frequentemente, os primeiros a correr atrás destes moinhos de vento são os verdadeiros responsáveis pelas dificuldades do país. Não se deve confundir o sintoma com a doença.




publicado por psylva às 16:25
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds