Quarta-feira, 29 de Novembro de 2006
Sócrates e os banqueiros
 

O Governo vai pelo caminho errado. Não é a banca que deve pagar mais, mas todos os outros sectores que deviam pagar menos impostos.

Recentemente, o primeiro-ministro José Sócrates revelou a vontade do governo de obrigar a banca a pagar “mais impostos”. Segundo parece, não só a banca beneficia de taxas especiais, mais baixas, como aproveita também um enorme número de alçapões, truques, e outros malabarismos legais para evitar ao máximo pagar impostos. Assim sendo, o resultado é óbvio: apesar de nos últimos anos terem apresentado quase sempre lucros chorudos, os bancos não contribuem tanto como deviam para o equilíbrio financeiro do país. Daqui até ao ataque básico e primário, vindo do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista, é um saltinho. Para mais, há aquele desconforto da conjuntura. Então toda a gente faz sacrifícios, então há que cortar o ‘deficit’, e a banca, com lucros tão gigantes, não contribui com a sua parte?

Este populismo de esquerda contagiou obviamente o PS, e José Sócrates viu aqui uma boa oportunidade de se reconciliar com a esquerda, a tal que diz que ele não é de esquerda. A esquerda, é sabido, nunca gostou de capitalistas e banqueiros, e exulta com “medidas” que mostrem uma mão pesada com esses senhores. Sócrates sentiu o terreno fértil, até porque nos últimos meses a sua popularidade entre empresários e banqueiros estava em alta. Era pois o momento de os desiludir, sem causar demasiada revolta. Ainda por cima, o argumento do ‘deficit’ é quase inatacável, e o primeiro-ministro conseguiu deixar passar a ideia de que a situação é injusta, em especial nas actuais circunstâncias. Como quem diz: “se o tempo fosse de vacas gordas...”, outro galo cantaria.

Mas deixemos um pouco a táctica e a retórica de esquerda de lado, e falemos da questão em si. A banca paga menos impostos que os outros sectores? Sim, é verdade. Mas é isso mau para o país? É aqui que, para mim, a porca torce o rabo. Eu explico: as condições fiscais especiais dadas à banca nos últimos quinze anos não foram uma política errada. Bem pelo contrário, foram uma opção correcta. O país ganhou muito com isso. Talvez, de tão habituados que estão a lidar com os nossos bancos, os portugueses não se apercebam de quão modernos e eficientes eles se tornaram nos últimos tempos. Portugal tem, em especial na banca comercial, um dos sistemas bancários mais modernos e eficientes do mundo. Não, não é exagero meu. Em Espanha, aqui ao lado, não é possível fazer tanta coisa como nós fazemos numa simples caixa de multibanco. A maioria dos países da Europa ainda estão na “idade do livro de cheques”, e nem sabem que há, neste cantinho à beira-mar, possibilidade de depositar cheques, pagar contas de electricidade, água e outras, e até pagar impostos, simplesmente digitando o código do nosso cartão num visor que está em qualquer rua do país.

Quero eu com isto dizer o seguinte: o regime fiscal favorável de que a banca beneficiou foi uma “vantagem comparativa” que levou a mais modernidade e eficiência nesse sector. Todos nós, em Portugal, ganhámos com isso. É óbvio que a própria banca também ganhou, e lucrou, mas não se tratou de um acumulação egoísta de capital sem ganhos para os portugueses, bem pelo contrário. A nossa banca aumentou-nos a qualidade de vida, e devia ser aplaudida e não atacada.

Na verdade, o que o Governo devia era aplicar o regime que beneficia a banca a todos os outros sectores de actividade. Não é a banca que deve pagar mais, mas todos os outros que deviam pagar menos impostos. Esse é que devia ser o caminho, pois só assim os outros sectores poderiam renovar-se com eficiência, como a banca fez. Dito isto, não quer dizer que não existam truques especiais que devam acabar, ou alçapões legais que devam ser fechados. É claro que andar a brincar aos ‘off-shores’ para não pagar os impostos me parece excessivo, e devia ser proibido. Mas, uma coisa é aperfeiçoar o sistema, outra é destruí-lo. Lançar um ataque populista aos bancos pode dar conforto ao coração da esquerda e até ajudar um pouco a pagar o ‘deficit’, mas em si mesmo é ir no caminho errado.



publicado por psylva às 16:49
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds