Quarta-feira, 29 de Novembro de 2006
Por um liberalismo latino


Segundo o antropólogo Geert Hofstede (Cultures and organizations: software of the mind, 1991), os países latinos caracterizam-se por ter uma elevada distância ao poder (autoridade) e uma grande aversão à incerteza. Portugal destaca-se por ter a maior aversão à incerteza dos países latinos e a segunda maior dos mais de 50 países estudados por aquele autor. Já os países anglo-saxónicos têm uma menor distância ao poder (mais autonomia) e uma muito menor aversão à incerteza. Esta diferença explicará em grande medida a origem e sucesso do sistema liberal nos países anglo-saxónicos em comparação com os países latinos. Receitar a solução liberal, versão original, num país com características muito diferentes dos de origem parece não ser a melhor via.

O que seria então um liberalismo de sabor latino? Seria um que reconheceria as características locais ou regionais, mas simultaneamente tentaria conduzir explicitamente a uma menor distância da autoridade e uma menor aversão à incerteza. Quando se adoptam argumentos de não se poder dar liberdade de escolha da escola aos pais, segundo o argumento salazarento, de que "os portugueses não estão preparados", está-se a reconhecer a característica de défice de autonomia, mas não se está a fazer nada para a combater. Trata-se de uma política pública que perpetua a menoridade cívica. Este caso ainda é mais ridículo porque o Estado não está a substituir a escolha dos pais por uma sua escolha, mas sim por uma regra exclusivamente burocrática, sem a menor sombra de preocupação com o que será melhor para o aluno.

O medo da incerteza, por seu lado, leva a uma regulamentação excessiva e ao medo de decidir. Um dos casos recentes mais caricatos foi o impasse perante o pedido de abertura do túmulo de D. Afonso Henriques, porque não havia legislação específica! Perante um simples pedido como este, os sucessivos dirigentes não conseguiram decidir com base em raciocínios simples e bom senso, tiveram que ir até à ministra. Que aliás, parece ter querido exercer a sua autoridade (uma característica latina como vimos acima) num caso tão simples como este.

Outra questão mais relevante é a dos preços da energia. Para diminuir a incerteza sobre estes preços os governos fixaram aumentos em linha com a inflação. Mas isto é uma ficção. Portugal importa quase 90% da energia que consome e por isso é completamente lírico qualquer governo decretar que o preço da energia não sobe mais do que a inflação (recordem o que tem acontecido ao preço do petróleo). Esta tentativa de diminuir a incerteza não só está assim votada ao fracasso como reforça o medo de lidar com a incerteza. A incerteza é inerente à vida e fingir que a conseguimos afastar não ajuda, atrasa o desenvolvimento cívico necessário.






publicado por psylva às 16:50
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds