Quinta-feira, 13 de Abril de 2006
Neo-proteccionismo

Muitas das medidas de proteccionismo não são motivadas pelo interesse do país mas sim pelo interesse de um sector concreto, representado pelo seu lóbi.

Quando primeiro estudei comércio internacional (na Católica, nalgum ano entre 78 e 83), uma das ideias mestras visava as origens e as consequências do proteccionismo. Cada país, individualmente, consegue aumentar a riqueza através da criação de barreiras à importação. O problema é que, se todos fazem o mesmo, acabamos numa situação que é pior para todos. Por outras palavras, o comércio livre é uma solução ideal mas instável.

Esta era, então, a versão oficial.

Até que um dia dois economistas fizeram o que os economistas nem sempre fazem: olhar para a realidade com atenção. E concluíram que muitas das medidas de proteccionismo comercial não são motivadas pelo interesse do país mas sim pelo interesse de um sector concreto, devidamente representado pelo seu lóbi. O título do trabalho de Grossman e Helpman diz tudo: “Protection for Sale”.

Consideremos o exemplo da indústria do aço nos E.U.A. Graças ao presidente Bush (e outros presidentes antes dele), o sector beneficia de elevadas barreiras à importação. Várias estimativas mostram que o custo para a economia americana – nomeadamente para os consumidores de aço – é várias vezes superior ao benefício recebido pelos trabalhadores do aço. Como se justifica então que os E.U.A. abracem uma medida que efectivamente tira dinheiro ao país?

Não faltam as teorias económicas que explicam como o proteccionismo pode aumentar a riqueza nacional. Mas quando olhamos para casos concretos somos quase sempre levados à mesma resposta: “protection for sale”.

Nestes dias, fala-se muito de proteccionismo no espaço europeu; não o proteccionismo às trocas comerciais (aqui o mercado é essencialmente livre), mas sim o proteccionismo aos movimentos de capital, nomeadamente a compra de empresas. A Espanha, a França e outros países tentam a todo o custo impedir a aquisição por estrangeiros dos seus campeões nacionais. Vale tudo, desde a intervenção económica à intervenção legal.

Também aqui não faltam as teorias justificativas, demonstrações “científicas” de que a compra por estrangeiros leva a uma perda de riqueza nacional. No caso da Endesa, por exemplo, teme-se que a compra pela E.On ponha em causa o abastecimento de electricidade em Espanha. De uma forma geral, a expressão “motivos estratégicos” é tão frequentemente invocada como raramente explicada; e quando explicada, o argumento carece solidez.

Perante tudo isto é impossível evitar a questão de antes: será este proteccionismo realmente uma forma de aumentar a riqueza nacional?



publicado por psylva às 13:07
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De zaratrusta a 23 de Abril de 2006 às 22:29
realise o sonho


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds