Terça-feira, 19 de Dezembro de 2006
A dimensão do erro


O nacionalismo económico é uma velha causa da esquerda norte-americana. Nesta eleição o tema reganhou relevância eleitoral.


A vitória eleitoral dos Democratas nas eleições da passada semana foi recebida como uma transformação positiva, por significar o início de uma nova era na política interna norte-americana e, essencialmente, por implicar uma mudança na postura internacional dos EUA (leia-se, por obrigar a uma alteração na política para o Iraque). Mas será mesmo assim?

Há um conjunto de sinais que apontam para um cenário mais pessimista.

Antes de mais, a agenda interna. Ao contrário do que aconteceu com a “revolução conservadora”, ou antes com os ‘new democrats’ de Bill Clinton, a actual vitória Democrata não assenta numa nova “grelha” política. Como lembrava George Lakoff, no ainda actual ‘Don’t think of an elephant!’, o Partido Democrata está preso numa leitura da realidade em que os termos de análise têm sido formatados pelo Partido Republicano. A consequência é que muitas das vitórias democratas assentaram numa agenda que mistura conservadorismo social com proteccionismo económico. Uma agenda que mistura o pior de dois mundos.

Talvez os exemplos mais flagrantes disso mesmo sejam a oposição ao comércio livre e o combate à imigração que estiveram no topo das prioridades de muitos dos candidatos democratas que conquistaram lugares a republicanos.

O nacionalismo económico é uma velha causa da esquerda norte-americana. Nesta eleição o tema reganhou relevância eleitoral. Com Clinton, em larga medida por força da acção do seu Secretário de Estado do Trabalho, Robert Reich, o Partido Democrata defendia que a resposta à abertura das economias e à exposição dos EUA à liberalização do comércio passava, e bem, por um investimento no capital humano. Hoje, para muitos dos representantes democratas, o que há que fazer é defender os empregos norte-americanos, combatendo os acordos comerciais com a China e com o México, com a argumento de que estão a ser deslocalizados muitos postos de trabalho. Curiosamente, não é questionada a razão por que há postos de trabalho que são “deslocados” para economias que se tornaram mais competitivas pela aposta na qualificação dos seus activos.

Muitos candidatos democratas combinaram o discurso do nacionalismo económico com promessas de intensificar o combate à imigração. Em última análise, não é só a deslocalização de empresas para o México que está a roubar postos de trabalho aos norte-americanos, o problema são também os mexicanos que vêm ocupar postos de trabalho que “pertencem” aos norte-americanos. Onde é que já ouvimos este argumento?

Claro que há elementos muito positivos na vitória dos Democratas. Antes de mais, a derrota do neoconservadorismo que começará a libertar os EUA da agenda messiânica; depois, os sinais de que os temas ambientais adquiriram relevância política; e, finalmente, os resultados dos vários referendos sobre costumes (do aborto ao casamento de homossexuais) que revelaram que, nestes aspectos, a sociedade norte-americana tem evoluído positivamente. A eleição de Nancy Pelosi para ‘Speaker of the House’ é, porventura, a corporização do lado positivo desta vitória.

E isto leva-nos ao Iraque, tema que marcou indelevelmente as eleições. Como tem sido assinalado, pese embora a retórica, a vitória democrata não alterará a situação no território. Até porque só há uma de três hipóteses: ou continua tudo como até agora, num equilíbrio instável, com mortes diárias de soldados norte-americanos e massacres de iraquianos; ou há uma retirada parcial do contingente militar, o que só servirá para expor ainda mais os militares que ficam no terreno; ou, finalmente, uma retirada total, que, depois do erro colossal que foi a destruição do aparelho de Estado iraquiano, significaria deixar o país próximo do “estado de natureza” hobbesiano.

Perante estes três cenários, os mesmos que foram ferozes defensores da intervenção norte-americana têm-se regozijado com mais esta prova de que não havia alternativa à política seguida pela administração Bush. Nada de mais errado. A situação a que chegámos só serve para provar a dimensão do erro cometido e a encruzilhada para a qual a administração norte-americana empurrou o mundo. É por isso que, pese embora os aspectos preocupantes da vitória dos Democratas, o facto de esta pôr fim ao messianismo político neoconservador e (espera-se) fazer regressar o realismo à política internacional norte-americana é, por si só, uma importante mudança. Ainda que com pouco significado para o Iraque.
____



publicado por psylva às 09:15
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds