Terça-feira, 19 de Dezembro de 2006
Está feliz!


Encontrei um amigo de infância que estava feliz. Coisa rara nos dias que correm. Contou-me as razões.



Encontrei um amigo de infância que estava feliz. Coisa rara nos dias que correm. Contou-me as razões.
Entusiasmado com a subida do petróleo e com a ideia de que as petrolíferas ganham com elas, mas mais entusiasmado ainda com uma palestra minha sobre privatizações e ganhos em ofertas públicas de venda de acções ou com os efeitos das entradas das empresas nos índices de acções, o meu amigo resolveu ir à privatização da GALP.
Eu tinha-lhe dito que, de um estudo em que participei sobre o assunto, se concluiu que a média histórica dos ganhos em OPV’s em Portugal, era de 10,55% quando as acções eram subscritas na Oferta Pública Inicial e vendidas no final do primeiro dia de negociação. Também lhe tinha dito que de outro estudo que fiz sobre o efeito da entrada de uma acção no índice PSI20, se concluiu que o ganho médio era de 3,33% entre o dia do anúncio e a véspera da entrada do título no índice.
Ora a OPV da GALP ocorreu na segunda-feira, 23 de Outubro, podendo as acções negociar-se em bolsa logo no dia 24. Também foi anunciado que o título GALP iria ser integrado no PSI20 no dia 30 de Outubro, segunda-feira da semana seguinte.
Com base em todas estas informações o meu amigo foi à subscrição.
Quando chegou ao seu banco para subscrever as acções disseram-lhe que, dado o elevado número de ordens de subscrição seria melhor ele atrever-se a subscrever o máximo permitido que, no caso dele que apenas tinha interesse em aproveitar das minhas palavras, seria o lote reservado ao público em geral. A medo subscreveu o máximo.
Na terça-feira dia 24 de Outubro recebeu uma chamada do seu gestor de conta informando-o de que estaria com sorte porque lhe tinham sido atribuídas 170 acções! Ficou feliz!
Chegou-se a mim e disse-me radiante que iria explorar os dois efeitos: o da OPV e o da entrada no índice.
Avisei-o de que rendimentos passados não são sinónimos de rendimentos futuros e que por isso quando se tratam de títulos de rendimento variável, nunca se sabe.
Na sexta-feira dia 27 de Outubro deu ordem de venda das acções. Fechou o negócio vendendo a 6,05, no final da sessão desse dia.
Telefonou-me no dia seguinte feliz: “– É pá quando é a próxima? Eh eh! Foi limpinho! Ganhei 39 euros sem saber ler nem escrever no espaço de quatro dias!”
Acalmei-o e perguntei-lhe: “– Entraste em linha de conta com os custos de transacção e com os impostos?” Resposta: “– O quê?” “– Então vê lá isso e depois diz-me qualquer coisa.”
Dois dias depois liga-me e informa-me que lhe cobraram €7,32 na compra, mais €7,28 na venda e ainda lhe vão cobrar €10,29 de custódia de títulos no final do trimestre. Ainda me lembrou que vai pagar IRS sobre os ganhos obtidos em bolsa pelo que estima que o líquido se fique pelos €8,35. Isto é, dada a pequenez do lote que lhe foi atribuído, 80% da mais-valia conseguida foi absorvida pelos intermediários, bolsa, central de liquidação e Estado através dos impostos.
Está feliz!


publicado por psylva às 09:17
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds