Terça-feira, 19 de Dezembro de 2006
A balança de pagamentos existe

As necessidades líquidas de financiamento externo da economia portuguesa (défice da balança corrente e de capitais), voltaram a aumentar em 2005.
Eram 4,0% do PIB em 2003 e passaram para 5,7 % em 2004 e 8,1% em 2005. Desde 1996, ano que parece marcar o arranque imparável para os valores actuais, que este défice foi multiplicado por 5. Caminhamos claramente para o valor simbólico de 10%.

Nas omnipresentes questões de conjuntura, os problemas relativos à balança de pagamentos são praticamente omitidos. Tirando alguns teimosos, à direita do governo, que a medo vão chamando a atenção para o assunto, este não atrai grande interesse.

Ainda recentemente, aquando da divulgação do último relatório do Banco de Portugal, apesar dos números desastrosos que se evidenciaram sobre a Balança de Pagamentos, aqueles foram tomados como se fossem elementos irrelevantes.

É como se o próprio conceito de balança de pagamentos tivesse deixado de existir.

Porém, a balança de pagamentos ainda existe, nas estatísticas do Eurostat e do Banco de Portugal, mas, sobretudo, na incontornável realidade económica.

O argumento para desvalorizar a importância do agregado é este: numa zona monetária, como a zona do euro, o significado da balança de pagamentos de Portugal é o mesmo que a «balança de pagamentos» do Alentejo tinha no tempo do escudo.

Esta concepção (1) está muito arreigada entre nós e é causa de muitos dos nossos problemas. De facto, foi com esta ideia que muitos aceitaram os apertos do período imediatamente anterior à entrada em funcionamento do euro. Os sacrifícios eram suportados com a ideia de que, a seguir, tudo nos seria permitido, uma vez desaparecidos os constrangimentos monetários externos. E, na verdade, foi assim que o país se comportou. A balança corrente e de capitais abalou, imparável, rumo aos 10% do PIB.

É certo que se concede, por vezes, que existe alguma preocupação, dado que o défice da balança de pagamentos representa um vaga falta de competitividade, sobre a qual pouco ou nada se poderá fazer a curto prazo.

Não tendo o país obrigações externas de cumprimento de objectivos relativos à balança de pagamentos, a sua irresponsável tranquilidade deriva do facto de se ter a certeza de que ninguém nos virá meter na ordem - como em tempos ocorreu com o FMI – e como está a ocorrer agora relativamente ao défice público. Cumpre-se assim o nosso destino: só efectuamos reformas quando obrigados do exterior; não conseguimos enxergar os nossos interesses, se estes não coincidirem com os de alguém do exterior que se encarregue de nos pressionar num determinado sentido.

O problema da balança de pagamentos assume significados diferentes, consoante o contexto monetário em que se insere. No caso actual da situação portuguesa, inserida numa zona monetária, o problema do défice da nossa balança só a nós diz respeito.

O funcionamento da economia encarrega-se de encontrar remédio para o défice da balança corrente e de capitais. Este, indica que se gasta mais do que se produz. Ora, isto só é possível através da acumulação de dívidas ou da venda de activos nacionais ao estrangeiro, registados na balança financeira. Dito de outro modo, o défice da balança corrente e de capitais é a expressão da acumulação de dívidas face ao exterior e/ou de perda de propriedades para o estrangeiro.

O défice da balança corrente e de capitais poderia ser virtuoso, se tivesse como contrapartida na balança financeira uma grande parcela de investimento directo externo. Não é esse o caso, como se sabe, estando o IDE estagnado e representando parte diminuta da balança financeira do país.

Mas este défice revela apenas uma parte da gravidade da situação. A acumulação de dívidas e a transferência de propriedade para o exterior representará, no futuro, um novo agravamento da balança corrente e de capital, através do pagamento de juros, dividendos e outros rendimentos da propriedade perdida. De início, esta situação é pouco perceptível. Mas, no futuro, os rendimentos saídos engrossarão e levarão a um verdadeiro «crowding out» das importações de bens e serviços e à real redução do consumo.

A balança de Pagamentos existe e, no final, nenhuma União Monetária nos livrará dos credores.

(1) A raiz desta concepção deriva da crença na Teoria da Zonas Monetárias Óptimas que nos levou à ideia absurda de que os benefícios da concorrência só se verificam nos mercados de bens e serviços e não existiriam na esfera monetária. Nesta, o euro permitiria realizar o esplendor do monopólio à escala europeia. Ficamos assim, paralisados com a ideia da bondade do União Monetária. Hoje sabemos que há uma a história mal contada na Teoria das Zonas Monetárias Óptimas. A concretização deste modelo, nestes últimos sete anos de União Monetária Europeia, já permitiu verificar que várias das supostas vantagens do euro são pura ilusão, embora nos custe ainda acostumarmo-nos à ideia. O próprio pai da teoria das Zonas Monetárias Óptimas, Robert Mundell, já reviu as ideias antigas.



publicado por psylva às 09:20
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds