Terça-feira, 3 de Abril de 2007
As duas Américas e por que são tão diferentes


Possuir mais recursos naturais não tem salvo a América Latina de um atraso que tem origem endógena e radica numa cultura política que quase nunca favoreceu a liberdade e a iniciativa
George W. Bush está a realizar uma viagem por vários países da América do Sul e a caricatura de muitos órgãos de informação apresenta-a como uma espécie de concurso de popularidade entre o Presidente americano e o líder venezuelano, Hugo Chávez. Mas, para além do folclore acessório, a verdade é que a América Latina hesita hoje entre dois caminhos: um é seguir a via democrática e liberal da América do Norte; o outro é regressar aos populismos mais ou menos autoritários que quase sempre marcaram a sua história. Muitos desses populismos foram alimentados pelo ressentimento face aos vizinhos ricos do Norte, vistos como origem de todos os males. É que, para infelicidade da quase totalidade da América Latina, raros foram ou são os seus dirigentes que tentam perceber por que razão a metade Sul do continente é muito mais pobre que a metade norte.
Na verdade, quando se olha para a história das duas Américas, encontramos muitas pistas para perceber por que no Sul se "escolheu" a pobreza e no Norte a riqueza, para citar a expressão do cientista político brasileiro António Paim.
A diferença não está nos recursos naturais. Muitos antes de nos Estados Unidos se ter descoberto ouro ou petróleo, já os espanhóis tinham saqueado as imensas riquezas dos impérios pré-colombianos e, na Bolívia, explorado reservas de prata sem fim. E ainda os EUA não eram EUA e já o ouro do Brasil permitia aos reis portugueses um fausto para que o nosso país nunca teve recursos. Quando na América do Norte os colonos ainda ensaiavam as primeiras culturas realmente produtivas, já o Brasil português era a primeira potência mundial na produção de açúcar. E mesmo hoje os recursos à disposição dos países da América Latina, do petróleo ao gás, do cobre ao ferro, são muito mais generosos do que aqueles a que podem aceder os Estados Unidos ou o Canadá. Até o potencial de produção agrícola, sobretudo no Brasil e na Argentina, é ímpar no mundo, beneficiando ambos os países de condições naturais muito melhores do que as existentes a norte.

A América Latina não é pobre porque lhe saiu em sorte ter poucos recursos - é pobre porque esses recursos alimentaram e alimentam oligarquias que não necessitam de fazer nada para assegurar o seu bem-estar e distribuir algumas migalhas em redor. E isso é válido tanto para o petróleo de Chávez como para a coca dos cartéis colombianos, FARC incluídas.
A razão para a pobreza num subcontinente que chegou a ser mais próspero do que o seu irmão do Norte (como era o caso do Brasil no século XVII, por comparação com as primeiras colónias inglesas) deve ser encontrada em profundas diferenças de cultura política. Em primeiro lugar (e o Brasil é de novo o melhor exemplo), o Sul foi amarfanhado pela Inquisição e não cultivou nem a liberdade, nem a tolerância, enquanto o Norte foi colonizado por homens que procuravam, antes de tudo, a liberdade, homens que fugiam das perseguições religiosas que haviam posto a Europa a ferro e fogo. Para além disso, eram individualistas e premiavam o espírito de iniciativa, algo que a sul, quem sob domínio espanhol ou português, quer depois das independências, vigorou quase sempre uma cultura patrimonialista e estatizante, governasse a esquerda ou a direita.
Aos Estados Unidos podem atribuir-se muitas culpas por depois terem feito uso do seu superior poder, mas dói lembrarmo-nos que um dos primeiros lugares do mundo onde a agricultura chegou a um estádio pré-industrial, antes mesmo da Inglaterra, um dos lugares onde poderia ter tido lugar a revolução industrial foram as explorações açucareiras do Brasil. Só que essas explorações definharam quando aqueles que faziam fluir o capital necessário aos grandes investimentos desapareceram, perseguidos que foram pela Inquisição. Referimo-nos, naturalmente, aos judeus.


publicado por psylva às 10:10
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Semear futuras crises

As ideias de Luís Filipe ...

Tufão imobiliário

Ordem, custos e esbanjame...

Política, ideias e pessoa...

HÁBITOS DE RICO E A ARTE ...

As reformas da Chrysler

O que resta da esquerda?

O Governo e a Igreja

Um estado menos “keynesia...

arquivos

Outubro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds